Autor Tópico: Sonhos: o que são e para que servem?  (Lida 427 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Offline Ricardo

Sonhos: o que são e para que servem?
« em: Janeiro 25, 2017, 12:07:16 am »
Depois de um longo dia, você deita a cabeça no travesseiro e (se não tiver a infelicidade de sofrer de insônia), alguns minutos depois, sua mente “viaja” para o bizarro “mundo dos sonhos”. Há décadas cientistas procuram entender o que há por trás desse fenômeno, e ainda não chegaram a um consenso – embora tenha havido grandes avanços.
•Como a ciência explica nossos sonhos estranhos e pesadelos

Um dos aspectos mais curiosos em relação aos sonhos é que, na maioria das vezes, não nos lembramos deles e, quando conseguimos, é comum esquecermos pouco depois. “Algumas das melhores tentativas de catalogar elementos de sonhos envolviam pedir aos participantes para descrevê-los logo que acordassem pela manhã ou, melhor ainda, convidar voluntários para dormir em um laboratório, onde eles seriam acordados e imediatamente questionados em intervalos à noite”, explica David Robson, colaborador da revista New Scientist. Estudos desse tipo mostraram que há poucos estímulos sensoriais nos sonhos (sons, toques e cheiros).




•7 fatos incríveis sobre os sonhos

Outra questão que intriga os cientistas: será que os sonhos têm significados específicos? “Você pode esperar que seus sonhos revelem algo sobre sua personalidade”, diz, “mas traços como extroversão ou criatividade não parecem prever o que aparecerá nas jornadas de alguém para a terra dos sonhos”. Há muitas divergências quanto a supostos sentidos para sonhos.

Neurociência dos sonhos

Um dos possíveis propósitos dos sonhos é a consolidação de memórias. “Depois de gravar inicialmente um evento no hipocampo – que pode ser considerado a impressora da memória humana – o cérebro transfere seus conteúdos para o córtex, onde os organiza para armazenamento de longo prazo”. Esse processo levou pesquisadores a suspeitar que os sonhos seriam uma espécie de “colcha de retalhos” de memórias.
•Dormir de bruços pode levar a mais sonhos eróticos

É raro, contudo, que um evento apareça “por inteiro” em um sonhos. “O que normalmente acontece é que pequenos fragmentos são recombinados na história do sonho”, explica o pesquisador Patric McNamara, da Northcentral University em Prescott Valley (EUA). Em um de seus estudos, ele comparou os sonhos de pessoas com seus relatos do dia-a-dia durante dois meses, e descobriu que locais conhecidos eram o primeiro fragmento de memória a aparecer em um sonho, seguido por pessoas, ações e, por fim, objetos conhecidos.
•Mais 10 fatos extraordinários sobre os sonhos

Ao misturar elementos de momentos diferentes, o cérebro pode ajudar a encontrar conexões entre eles, o que pode explicar por que às vezes um elemento em um sonho de repente se transforma em outro. “É um resíduo da maneira como o cérebro junta diferentes elementos”, diz McNamara.

Um filme em sua mente

Mais do que apenas nos fazer relembrar coisas que vimos, ouvimos ou fizemos, os sonhos normalmente contam uma história (às vezes bizarra) e, geralmente, emoções são parte fundamental do processo. O psiquiatra Ernest Hartmann, da Tufts University em Medford (EUA), estudou os diários de sonhos de pessoas que haviam passado por experiências dolorosas. Nessa pesquisa, ele descobriu que elas estão mais propensas a sonhar com situações específicas do que com eventos dispersos, e que esses sonhos são lembrados mais facilmente do que outros.
•Sonhos lúcidos: aprenda a controlar os seus sonhos

Hartmann acredita que isso pode estar relacionado com a consolidação da memória (afinal, as emoções fazem parte da história de cada um), além de ser uma possível tentativa de incluir o trauma em um contexto maior. “Acho que isso o torna menos traumático”, opina, embora ele próprio admita que é uma hipótese difícil de provar.

Interferência do mundo real

Além de fornecer “material”, o dia-a-dia pode influenciar os sonhos de outras maneiras, como mostra o fato de que muitas pessoas relataram sonhar em preto e branco durante a década de 1950 e, na década seguinte, em cores. De acordo com a pesquisadora Eva Murzyn, da University of Derby (Reino Unido), isso pode ser explicado pela chegada da televisão a cores – que ocorreu na mesma época em que as pessoas passaram a ter mais sonhos “coloridos”.
•Cientistas conseguem filmar sonhos

Outra situação interessante foi estudada pela pesquisadora Jayne Gackenbach, da Grant MacEwan University (Canadá), que encontrou vários jogadores de videogame que se sentiam “participantes ativos” em seus sonhos, como se estivessem dentro de um jogo. Jogadores, aponta MacEwan, são mais propensos a tentar lutar ou se defender quando sonham que estão sendo atacados ou perseguidos – o que, curiosamente, parece fazer com que seus sonhos se tornem menos assustadores. “Eles dizem coisas como ‘foi um pesadelo, mas foi demais’”, explica.

Por fim, outra interferência do mundo real sobre os sonhos pode se dar por meio de odores, como percebeu o pesquisador Hervey de Saint-Denys, ainda no século 19. Ele pediu a seu criado que colocasse gotas de perfume em seu travesseiro em noites aleatórias, e assim descobriu que os sonhos em geral acabavam tendo alguma relação com o perfume



Tags: