Mensagens recentes

Páginas: 1 2 3 4 5 [6] 7 8 9 10
51
Assuntos Místicos Generalistas / Cannabis: o poder erótico e espiritual da Erva
« Última mensagem por Ricardo em Março 12, 2018, 03:35:11 pm »
Cannabis: o poder erótico e espiritual da Erva

Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra



Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra
A deusa egípcia Seshat representada com uma folha de marijüana sobre a cabeça. Seshat foi uma divindade protetora das bibliotecas, do conhecimento e da geomancia entre outras coisas.

DIR.: Bast, a Artemis grega, deusa da sabedoria. Entre os egípcios, zoomorfa meio-gato, meio-mulher, acreditava-se que dominava variados aspectos da vida civilizada: do Sol Nacente, como filha de Rá; e também deusa da iluminação [intelectual], do lar, do sexo, da fertilidade e do parto, dos prazeres físicos e, curiosamente, deusa das lésbicas que, no país do faraó, eram associadas à verdade, honestidade.

In CANNABIS PR-NTR-KTM

As origens do uso erótico/sexual da marijüana remonta ao surgimento dos ritos de fertilidade associados às primeiras práticas da agricultura - em uma época em que a ligação do homem com a terra, com os campos, era compreendida como uma relação religiosa. Entre comunidades primitivas de caçadores, os shamans usaram a magia "imitativa" ou magia simpática [de reprodução, representação da realidade] para obter sucesso na expedições de caça. Vestiam peles de animais, envergavam cabeças de grandes mamíferos em suas danças mágicas. Quando as comunidades fizeram sua transição da economia de caça-coleta para a economia agrária, a mesma lógica foi aplicada aos campos cultivados. Os ciclos das colheitas eram acompanhados de simbolismos e festas rituais.

Para estimular o bom desenvolvimento dos campos, os primeiros agricultores acreditavam na necessidade de renovar, periodicamente, o "matrimônio" entre a divindade da Terra e a divindade dos Céus. [Como na mitologia grega, Urano, o Céu, fecunda a Terra, Gaia]. O tema principal desses rituais, portanto, era o sexo, posto que era/é meio de fecundação. Orgias coletivas eram praticadas nos campos; orgias que, mais tarde, foram ritualizadas em cerimônias fechadas entre o rei e sua consorte ou entre sacerdotes e sacerdotisas.

A cannabis é considerada uma das culturas mais antigas da humanidade e a planta tem poderosas qualidades afrodisíacas. As práticas orgiásticas começaram precocemente justamente entre aquelas comunidades pioneiras no cultivo e uso da planta e uma das primeiras práticas religiosas da humanidade foi o coito ritual praticado nos campos.

Experiência Religiosa

O pesquisador da marijüana, Sula Benetowa, diz que a origem deste antigo culto, da cannabis, pode ser encontrada no Oriente Médio. No artigo Tracing Onde World Through Different Languages, ele escreve: "Tendo em conta o elemento matriarcal da cultura semita é possível afirmar que a Ásia Menor foi o centro de onde se propagou ambos os caracteres socioculturais: o matriarcalismo e o uso massivo do hashish [essência oleaginosa da maconha].

Um desses "elementos matriarcais" refere-se ao culto da deusa semita Asherah [em algumas tradições, dita consorte de Jehová], para quem era queimada a cannabis como incenso sagrado. Os corpos também eram "ungidos" com um o óleo da cannabis, o Santo Óleo, semelhante ao usado por Moisés e outros profetas e reis judeus da Antiguidade. [ver CC#5, Kaneh Bosm: the hidden story of cannabis in the old testament].

Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra


Objetos relacionados ao uso de cannabis foram encontrados em tumbas congeladas dos antigos Citas [Scythians] nas montanhas Altai, na fronteira entre a Rússia e a Mongólia. No sítio arqueológico também foram achadas sementes e restos dos "frutos" [berlotas] da planta. O Citas usavam a maconha reunindo-se em cabanas onde a erva era queimada e todos aspiravam seus vapores "mágicos" - um "efeito sauna". Essa prática de "repirar cannabis" foi mencionada por Herótodo e data de 500 a.C.. In Hallucinogenic Plants
EROWID.ORG

William Cole, em Sex and Love in The Bible, fala do culto a Asherah, enquanto cônjuge ou "aspecto feminino" do "deus" israelita Jehovah: "Era foi uma divindade da Natureza, simbolizando sexualidade e fertilidade. Em muitas passagens do Antigo Testamento existem referências a Asherah, representada
  • como um pilar de madeira, um objeto de devoção. Claramente, é um símbolo fálico, ocupando lugar similar ao Lingam hindu.


Cole também explica que muitos deuses e deusas antigos aparecem em pares de macho/fêmea, [uma referência aos Hermafroditas de Raças Antigas]. Tais deuses também são retratados criando o mundo/Universo através de uma cópula [ato sexual].

"Os devotos destas divindades, aparentemente acreditavam no dever religioso da magia imitativa na qual, homem e mulher copulavam no solo, misturando suas "sementes" e seus desejos com a terra que, assim, tornar-se-ia ou continuaria fértil, pela partilha do ato sexual praticado pelos humanos. As orgias envolviam o uso de psicotrópicos, substâncias alucinógenas ou relaxantes/excitantes além de atividade sexual intensa e heterodoxa como importante fator de eficiência "mágica".

Canção Erótica de Salomão

Uma passagem clássica de "erotismo bíblico", o Cântico dos Cânticos, atribuído ao rei Salomão, atualmente é amplamente aceita como um texto litúrgico-amoroso integrante dos culto ao deus/deusa da fertilidade na região do Oriente Médio. É fato histórico conhecido que o rei israelita Salomão foi iniciado em cultos estrangeiros diversos em virtude do íntimo contato com a cultura de suas numerosas esposas, provenientes de diferentes nações, como o culto a Astarte e a queima ritual do incenso de cannabis [1 Reis 11:3-5].

Não é surpresa, portanto, encontrar umas tantas referências bíblicas diretas à cannabis nos Cânticos de Salomão:

"O quanto é intenso o seu amor, minha irmã, minha noiva! Mais delicioso que o vinho é o teu amor e a fragrância de seu óleo [ungënto], mais deliciosa é que o aroma das especiarias. Seu corpo é um pomar de frutos abundantes, de romãs, de henna e nardos, nardos e açafrões, cannabis [Kaneh Bosm] e canela e todas as árvores de incenso" ... [Cântico dos Cânticos 4:8-14]. Outra passagem demonstra explicitamente a a simbologia sexual dentro da liturgia [cerimônia religiosa]:

Meu amor tocou-me a caverna

e meu ser fervia por ele
Eu me ergui e me abri para o meu amor
a minhas mãos gotejavam a mirra
A mirra escorrendo entre os dedos
sobre as mãos...
E eu abri minhas cadeias para o meu amor
Cântico dos Cânticos 5:4-6


Astarte foi adorada como filha e contraparte [aspecto] de Asherah e, tal como sua "mãe", seu culto era associado às práticas sexuais e ao uso da cannabis. Tanto o Cântico dos Cânticos quanto o Hino a Ishtar [outra divindade mesopotâmica] são narrativas de união conjugal. Cerimônias muito parecidas, que incluem o culto ao sexo e uso ritual da cannabis, são encontradas na Índia [ainda nos dias atuais].

O Festival das Carruagens, que data de época pré-Védica, ainda é realizado pelo culto Jagahath, em Puri. Nesta antiga festividade, carruagens com decoração elaborada, representando o "mundo em ação", saem em cortejo levando a figura velada do "Senhor do Universo" e sua noiva. Acredita-se que uma das figuras veladas é um lingam [pênis] gigante.

Durante o Festival de Jagganath, as "prostitutas do templo" desempenham o papel de "esposas do rei-deus" e mantêm relações sexuais com o "rei" ou sacerdotes a fim de obter abundantes chuvas de estação. O uso da cannabis faz parte dos rituais. O pesquisador do psicodelismo, Jonathan Ott, em seu livro Pharmacotheon, conta que os ingleses suprimiram, proibindo, esse ritual em toda a Índia e a atuação das devadasis, as prostitutas sagradas. A tradição desapareceu lentamente exceto em Puri.


Shiva & Kali

Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra


O uso da marijüana é parte do culto Tântrico Hindu de Shiva e Kali, duas das mais antigas divindades do mundo. O uso erótico ritual da cannabis também está inserido em no contexto da obtenção de fertilidade. A forte associação de Shiva com a cannabis está claramente demonstrada na antiga mitologia que envolve a planta bem como as minuciosos procedimentos dos devotos em relação aos campos sagrados.


Praticantes de tantra, seguidores de Shiva e Kali ainda usam marijüana como estimulante do sistema nervoso central capaz de ativar a energia chamada de kundalini, intimamente conectada com a energia sexual. É um costume milenar. Em The Woman's Encyclopedia of Myths and Secrets, a pesquisadora Barbara Walker explica:

Os principais fundamentos das práticas tântricas podem ser encontrados em tempos pré-históricos. Basicamente, é uma teosofia [pensamento religioso] que inclui o culto à Deusa-Mãe, às forças sexuais, à fertilidade, aos fenômenos naturais, tal como nos cultos animistas. Muitos dos símbolos usados no tantrismo contemporâneo, como os órgãos sexuais feminino e masculino, são semelhantes àqueles encontrados em cavernas paleolíticas, datando de 20 mil anos, em lugares tão diferentes quanto Europa Ocidental e China.

Sexo, Maconha & Energia

Os cultos à fertilidade, repletos de práticas sexuais, evoluíram ao longo das Eras e desenvolveram-se entre os estudiosos Gnósticos e os praticantes de Tantra. Tornou-se um "casamento sagrado" que acontece no plano mental dos praticantes. O ritual não se dedica mais à fecundidade da terra ou dos homens; antes, pretende proporcionar o encontro do indivíduo consigo mesmo e sua identificação com o Universo.

Ritos que usam o sexo e a cannabis buscam o despertar da kundalini e sua ascensão, ou seja, a ativação da energia sexual de modo tal que ela possa percorrer a coluna, alcançar a glândula pineal e atuar no cérebro como força criadora e re-generadora; e não mais e somente como força de geração física.

A glândula pineal é considerada a sede da alma, do espírito. É um órgão misterioso de funções praticamente desconhecidas mas para os praticantes do esoterismo, o uso da cannabis combinados com outras práticas, como relaxamento e meditação, produz uma ativação incomum da energia sexual. Nas palavras do místico Aleister Crowley, extremamente experiente quando o assunto é droga e sexo: "Quando você entende que Deus é meramente um nome para o instinto sexual não me parece tão difícil admitir que Deus está no sexo".


FONTE


Marijüana: the ultimate sex drug
CANNABIS CULTURE publicado em novembro
1999
por Chris Bennett
Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra
52
Assuntos Místicos Generalistas / Natal - Estrela de Belém
« Última mensagem por Ricardo em Março 12, 2018, 03:34:40 pm »
Sem permissão para ver imagens. Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra


A Estrela de Natal

A estrela de Natal, também conhecida como a estrela de Belém, tornou-se num ornamento típico das nossas casas, na época de Natal.

É colocada no topo da árvore de Natal ou no presépio e lembra-nos a estrela que guiou os três Reis Magos até ao local onde o menino Jesus nasceu.

A estrela característica possui quatro pontas que representam os pontos cardeais (norte, sul, este, oeste) e uma cauda luminosa, fazendo lembrar um cometa. Também se usa a estrela de cinco pontas lembrando o ser humano (Cabeça, braços e pernas).

A estrela de Natal para além de ter orientado os reis magos, representa a Luz do Mundo, Jesus Cristo.

Cientificamente, Johannes Kepler, astrónomo, matemático e astrólogo alemão do séc. XVII, explica o aparecimento da estrela de Belém com o facto de ter havido, na altura, uma conjunção entre o planeta Júpiter e o planeta Saturno, na constelação de peixes, que levou a formação de uma luz intensa, fora do normal, e que deu origem a esta “estrela”.

A referência bíblica da estrela de Natal é feita no Evangelho de Mateus, onde relata a vinda de sábios do oriente para visitar o Messias recém-nascido. Como não sabiam onde se encontrava Jesus, os três Reis Magos perguntaram na corte do Rei Herodes, mas sem sucesso. Herodes ao saber do nascimento do Rei dos Judeus, pediu-lhes que assim que encontrassem Jesus, o informassem.

Os Reis Magos, vendo surgir no céu uma luz intensa, seguiram-na, encontrando em Belém o menino Jesus. Estes ofereceram a Jesus prendas mas não voltaram à corte do Rei Herodes.

Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra
53
Assuntos Místicos Generalistas / Natal - A Ceia
« Última mensagem por Ricardo em Março 12, 2018, 03:34:11 pm »
Sem permissão para ver imagens. Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra


Ceia de Natal

mesa de NatalFazem parte dos pratos tradicionais da ceia de Natal dos nossos dias inúmeras receitas quer para a ceia propriamente dita quer para a sobremesa.
O termo consoada refere-se não só à ceia de Natal em família mas também à entrega de prendas na época natalícia, como modo de demonstrar carinho e amizade pela pessoa a quem se oferece o presente.

A tradição da consoada surgiu na Roma antiga e tem na sua origem costumes pré cristãos. No início, ramos vindos do bosque consagrado à deusa Estrénia, eram enviados aos magistrados como demonstração de respeito. Mais tarde passou a oferecer-se mel, passas, figos, medalhas de ouro, entre outras coisas, e o ato tornou-se tão generalizado, que o povo passou a levar ao imperador da época uma oferenda em dinheiro.
Também em dezembro, durante as festas de homenagem ao deus Saturno, em Roma, as pessoas trocavam entre si oferendas tais como estatuetas ou velas de cera.
Foi a partir do séc. VII, com o papa Bonifácio, que a consoada ou entrega de presentes se tornou uma tradição cristã. Na época de Natal, o próprio papa distribuía pão entre o povo e recebia deste presentes variados.
Falando nos pratos tradicionais da ceia de Natal, é a partir do séc. XVI, que o peru se torna rei dos pratos tradicionais, principalmente na Europa.

Hoje em dia, o bacalhau com batata e couve cozida é um dos pratos tradicionaisTravessa de bacalhau cozido portugueses mais confecionado para a ceia de Natal, fazendo também parte da tradição portuguesa o peru assado ou o polvo. No Brasil tornou-se também tradição, no jantar de Natal, a confeção de pernil de porco e do chester (frango selecionado) além dos pratos tradicionais de Natal de origem portuguesa, como o bacalhau, os bolinhos de bacalhau, as rabanadas e os tradicionais frutos secos.
Na Alemanha, é tradição comer-se pratos ricamente confecionados de carne de porco, ganso, javali ou veado, além das tradicionais salsichas, enquanto na Rússia, o Natal que é celebrado a 7 de Janeiro, se opta por uma refeição à base de grãos variados, fruta e mel, evitando-se comer carne.
Na Jamaica um dos elementos fundamentais na ceia de Natal é a ervilha, acompanhada por uma grande variedade de carnes.

Por outro lado, em França, a ceia de Natal é mais sofisticada. Além do tradicional peru assado, os franceses juntam outras iguarias como a lagosta, as ostras, os escargots e o fois gras.
Na África do Sul a ceia de Natal tradicional é composta por legumes, arroz com passas, tarte de carne moída, peru assado e pudim para sobremesa.
Já na Austrália, como o Natal é celebrado no verão, a ceia de natal converte-se em picnic, onde é comum comer peru, carne de porco e pudim de ameixa flambé. Em Espanha, a grande festa realiza-se no dia de Reis, e não pode faltar na mesa o tradicional presunto serrano, o roscón de Reyes (semelhante ao bolo rei), marisco e borrego ou peru assado.

ceia de Natal em famíliaA ceia de Natal ou chamada consoada apesar de estar associada a uma tradição cristã, é realizada hoje em dia em quase todo o mundo e por muitos não cristãos. Os pratos nela confecionados são variadíssimos e dependem da região onde se celebra, mas o seu objetivo principal é igual em todo o mundo: Unir a família à volta da mesa de jantar para confraternizar e celebrar um tempo de paz e amor.
 
Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra
54
Assuntos Místicos Generalistas / O simbolismo da borboleta
« Última mensagem por Ricardo em Março 12, 2018, 03:33:14 pm »
Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra



O simbolismo da borboleta


A borboleta é considerada o símbolo da transformação, da felicidade, da beleza, da inconstância, da efemeridade da natureza e da renovação, mas há inúmeros significados atribuídos à simbologia das borboletas.


Metamorfose das Borboletas

A metamorfose das borboletas é simbolizada como: a crisálida é o ovo que contém a potencialidade do ser e a borboleta que sai dele é um símbolo de ressurreição ou também pode ser vista como a saída do túmulo.

Em outras palavras, os estágios desse inseto, que são a lagarta, a crisálida e a borboleta significam respectivamente vida, morte e ressurreição representando, dessa maneira, a metamorfose cristã.


As Cores das Borboletas


Borboleta azul

Faz referência à metamorfose, portanto, da transformação que os seres humanos passam ao longo da vida, não só física (crescimento), como sociais (mudança de trabalho, casamento, nascimento de um filho, entre outros). A borboleta azul é por muitos considerada a borboleta da sorte.


Borboletas Coloridas

As borboletas coloridas são mensageiras de alegrias e felicidade.


Borboletas Pretas

São mensageiras da morte e têm, ainda, o significado da alma de uma criança que morreu ser ter recebido o Batismo ou simboliza uma bruxa reencarnada.


Borboleta Amarela

Simboliza uma nova vida, numa analogia às flores da primavera, cuja cor predominante é o amarelo.


Borboleta Branca

Por sua vez, a borboleta branca simboliza a serenidade, a calma, a paz.


A Borboleta e o Espiritismo

Uma vez que a borboleta é referência de renovação, para os espíritas, ela simboliza a reencarnação. A reencarnação é o regresso da alma para outro corpo, uma nova vida.

A borboleta é, assim, a alma que sai de uma pessoa que morre e se liberta (a saída do casulo) e vai para outra pessoa numa oportunidade de refazer a sua história de vida com mais experiência tendo em conta as vivências passadas, num processo de desenvolvimento ou progressão da alma.


Outras Simbologias da Borboleta

A borboleta é o símbolo do renascimento para a psicanálise moderna, que é representada com asas de borboleta.

Na mitologia grega, a personificação da alma é representada por uma mulher com asas de borboleta e segundo as crenças gregas populares, quando alguém morria, o espírito saía do corpo com forma de borboleta.

No Japão a borboleta é o símbolo da gueixa e representa a figura feminina (mulher), visto que está associada à ligeireza, gentileza e graciosidade. Dessa forma, a felicidade matrimonial é simbolizada por duas borboletas (masculino e feminino) e, muitas vezes, sua figura é utilizada nos casamentos.  No mito do imortal jardineiro Yuan-k’o, sua bela esposa ensina o segredo dos bichos-da-seda, sendo ela própria, um bicho-da-seda.

Por outro lado, no mundo sino-vietnamita a borboleta exprime a longevidade ou está associada ao crisântemo, o qual simboliza o outono, ou seja, a renovação, uma vez que no outono ocorre a queda das folhas.

Para os astecas e os maias, a borboleta simbolizava o deus do fogo Xiutecutli, conhecido também por Huehueteotl, o qual levava como emblema um peitoral chamado “borboleta de obsidiana” que simbolizava a alma ou o sopro vital que escapa da boca de quem está morrendo. A borboleta no meio das flores representa a alma do guerreiro morto no campo de batalha.

Os Balubas e os Luluas do Kasai, do Zaire central, também associam a borboleta com a alma. Para eles, o homem segue o ciclo da borboleta desde sua nascença até sua morte. Dessa maneira, a infância está associada a uma pequena lagarta; na maturidade, a uma grande lagarta e, à medida que vai envelhecendo, se transforma em uma crisálida. O casulo é o túmulo de onde sai a sua alma, cuja forma é uma borboleta.

Além disso, o seu túmulo seria associado ao casulo, de onde a alma sairá sob a forma de uma borboleta. Por fim, os iranianos e alguns povos turcos da Ásia central acreditam que os defuntos podem aparecer de noite na forma de borboleta.

Na mitologia irlandesa, a borboleta simboliza a alma liberta de seu invólucro carnal, da mesma maneira que na simbologia cristã. O conto Corte de Etain nara a a história do Deus Miter que se casa pela segunda vez com a deusa Etain, e por ciúmes, sua primeira esposa, a transforma em uma poça de água. Após algum tempo, a poça dá vida a uma lagarta que se transforma em uma linda borboleta.

 

FONTE: Dicionário de Símbolos
55
Assuntos Místicos Generalistas / Bruxaria, Macumba e Maldições
« Última mensagem por Ricardo em Março 12, 2018, 03:32:47 pm »
Deus não dá poder aos Impíos
os Malfeitores não têm nenhum poder próprio
quem se dedica às artes negras NÃO TEM PODER


Bruxaria ou Macumba
Dois nomes para o mesmo assunto.
Existem os aprendizes, que é surpreendente o número de pessoas que tenta vingar na vida, recorrendo à contratação do mal. E existem aqueles que são de respeito, que podemos apelidar de profissionais, os bruxos ou macumbeiros (a mesma coisa).

Ainda: existem algumas pessoas negativas que inconscientemente sem nunca o saberem, concebem e criam macumbas contra quem estão a destilar negros sentimentos.
E assim é verdade quando se afirma que TODAS AS PESSOAS JÁ FORAM VITIMAS DE MACUMBAS E SOFREM COM MACUMBAS ACTIVAS perpetradas na maioria por pessoas más que desconhecem a sua real força maligna.
SIM, literalmente, todos carregamos macumbas!

Encontrar durante uma vida, uma pessoa sem macumbas e energias negativas, é porque será um caso muitíssimo especial. Será mais fácil acertar na chave vencedora de uma grande lotaria que encontrar alguém limpo de macumbas.

Mas continuando, as ordens dos Espiritos é vasta, desde os Anjos aos Demónios e os Elementais.
"Elementais"?
São Espiritos da Natureza que podem ser invocados e contratados para executar serviço e são estes a fonte do APARENTE PODER dos Impíos, pois o poder é dos Elementais.

Antes de continuar a explicar para que se compreenda o que é, vamos analisar em termos fisícos a matéria.
A matéria é energia condensada num estado vibracional.
EM VERDADE TUDO É VIBRAÇÃO

A medicina sabe que cada célula do nosso corpo vibra a um ritmo preciso continuamente, (de acordo com o orgão) e quando surge o cancro, as células alteram a sua vibração para uma nova...

A nossa voz é uma vibração, é um estado energético. Uma praga é exactamente energia a ser criada.

Posto isto, já percebeu como é que recebemos vibrações e somos afectados de maneiras que estão para lá da nossa compreensão.

 
Lei Espiritual
Tudo o que desejares de Bem terás de volta;
Tudo o que desejares de mal, retornará com muito mais força.
 
"Mas nós podemos criar Formas de Pensamento que façam o bem. É preciso, no entanto, ter a certeza de que sejam para o Bem, porque uma Forma de Pensamento não sabe distinguir o Bem do mal. Elas farão qualquer das duas coisas, mas a Forma de Pensamento má virá, ao fim, vingar-se do seu criador"
Lopsang Rampa

Agora, podemos ter mais ou menos resistência às pragas, mas a inveja, poderá matar as plantas de uma casa visitada por um invejoso, uma pessoa com uma atitude extremamente negativa.

A Atitude Positiva é a defesa contra a energia negativa e "vampiros" de energia (são pessoas com atitude negativa que deixam pessoas normais exaustas por sugarem a sua energia).

Pessoas determinadas, que dão o valor a si e estão sempre bem dispostas não são afectadas por pessoas negativas.
Mas quando chegamos ao universo espiritual, ninguém é imune á acção espiritual.

Um bruxedo/macumba é a acção exercida por uma ou mais entidades astrais, menos ou mais inteligentes, que terão sido contratadas para excutar uma missão, infelizmente prejudicial.
Poder-se-á colocar em 5 niveis a actividade maligna:
1 - Pessoas infelizes que sugam os "amigos"
2 - Pragas, formas energéticas negativas simples
3 - Macumba com a execução de animais para contratar um espiríto
4 - Pessoas que mentalmente instruem elementais que as acompanham e fazem a macumba no astral
5 - Demónios que atendem só alguns (seitas satânicas)

Qualquer que for a situação, nenhum vivo tem poder e é só protegido por entidades astrais negativas que estão a seu mando. Mas são pessoas a ter muito cuidado.
Por exemplo, um acontecimento de um jogador profissional subitamente morrer em pleno jogo é muito estranho, correcto?

É muito difícil retirar uma vibração negativa porque a entidade astral que a colocou estará a cumprir eternamente a sua missão. Só os Anjos da Luz - Arcanjos de Deus - Guias Espirituais serão capazes de remover as vibrações e as entidades causadoras desintegrando-as.
Um exemplo é o Arcanjo Gabriel cuja a invocação em oração ajudará muitas vezes a superarmos problemas. Mas não resolve macumbas, pois as entidades tem inteligência e afastam-se.
Como exemplo, entidades negativas poderosas anteciparão os seus movimentos e como exemplo, uma cartomante nunca irá determinar através de cartas ou pendulos a sua presença.

Se julga que foi alvo de Macumba/Bruxaria, poderá agendar uma consulta com o Padre Carlos Severino.

Maldições familiares
São Macumbas, podem afectar gerações e são de remoção muito difícil. Os fumeiros não são suficientes para a sua eliminação.
Só os Mestres (Anjos da Luz/Guias Espirituais), poderão intervir e remover estas bruxarias mais complexas.

Conheço dois casos de maldições familiares.
A primeira com 4 gerações afectadas consistia em que os descendentes ficassem na penuria e nunca tivessem sucesso na vida. Segundo o registo Káshico, foi realizada por uma amante do bisavô com o seu esperma, que se recusou a casar com ela e a engravidou.

A segunda afectou 6 gerações e consistia em que os descendentes se separassem e nunca fossem felizes com as suas mulheres. Segundo o registo káshico, foi realizada em Angola por um sobrino cobiçado homosexualmente pelo Tio, tendo acabado por ficar com as suas posses. Era mantida por um boneco enterrado numa cova num desaparecido cemitério.

Ambas as maldições foram quebradas após muito trabalho porque afectam filhos legitimos, ilegitimos, casas e lugares que foram habitados pelas descendencias e assim se ramificaram.
Destruir todo este mal é como tirar areia abrindo um buraco e lentamente a restante areia perdida á volta, retorna ao buraco, preenchendo-o, e é preciso ir limpando com muita perseverança e força de vontade.
As maldições são transmitidas via ADN (sangue) e matrimónio, afectando todos os que se juntem à família contaminada.

Como o mal ajuda
Magia Africana, por muitos nomes que se dê, tem um só nome e significado negativo.
Quando os Gurus são consultados, eles contactam mentalmente os elementais que os servem, que dirão o que se pretende.
Podem inclusivé remover macumbas, pois têm poder para isso mas, também incutem dependência; afinal, têm que ganhar e no reino de Deus os materialistas não passam pelo buraco da agulha.

Os nossos pensamentos podem ser influenciados e uma pessoa "vidrada" pode estar somente energeticamente muito programada.

Para os que se dedicam ou dedicaram ao mal, Karmicamente irão pagar!
O mal retorna ao destino depois da Macumba ser cortada.
Cá se fazem, cá se pagam, mesmo que seja noutra vida.

E o envolvimento com vibrações baixas, negativas contaminam o corpo produzindo doenças, este é um preço que os que se desviam para o mal podem pagar.

Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra
56
Assuntos Místicos Generalistas / Operação mágica para invocar o anjo guardião (pessoal)
« Última mensagem por Ricardo em Março 12, 2018, 03:31:37 pm »
Operação mágica para invocar o anjo guardião (pessoal)   

Colocado para o Oriente proceder do seguinte modo:
1- Visualizar-se dentro de um cilindro de Luz Branca que vem do Alto, desde a Sua Presença Divina, o EU SOU (ver imagem para melhor concentração).
2- Concentrar-se e visualizar-se dentro da chama de Fogo Violeta da Purificação permanentemente, transmutando todos os electrões pesados e toda a substância impura na Pureza Angelical.
3- Ampliai ao seu redor o Circulo de Luz Branca que sai da Presença Divina toca o solo, que é o Tubo de Luz Protector e visualizar à sua frente um tubo de Luz branca idêntico ao seu, saído da Presença de Luz, o Sol Divino.
4- Levante os dedos da mão direita o polegar, o indicador e o médio, como se fosse um tridente e flecte os dedos anelar e mínimo da mão sobre a palma, eleva o braço e a mão ao alto e com a mão esquerda faz uma habitual “figa”, só que em vez de colocar o dedo polegar flectido a emergir do dedo indicador que está flectido sobre ele, tem o dedo médio flectido também e junto ao indicador sobre o polegar que emerge encostado ao anelar esquerdo. Os dedos anelar e mínimo estão flectidos sobre a palma da mão esquerda.

O braço esquerdo é colocado caído ao lado do corpo com a mão apontando no prolongamento deste, para baixo, em direcção ao solo.

Pensar, respirando até encher o plexo epigástrico (respiração abdominal) e o tórax de ar que visualiza como chamas de Luz Branca Purificante:
“EU SOU a expressão de Deus Pai em acção. EU atraio da Sua Presença-em-Mim a Força e o Poder e com esta energia e o Manto de Luz Branca sobre os meus ombros, apelando no meu Coração e Mente às forças da Luz, pacificando todos os espíritos à minha volta e todos os seres impuros, conjurando-os a se afastarem.

“Só a Luz aqui habita ao meu redor. Toda a adversidade se anula já!”
5- Continuar com o braço direito elevado e dobrar o braço esquerdo mantendo a mão com a “figa” formada sobre a zona do chacra sexual, o segundo, para pacificar e exorcisar os espíritos impuros do plano emocional. Dizer mentalmente, e com a respiração dirigida ao centro sexual:
“EU SOU a Luz e a Pureza de Deus-em-Mim, todo o meu mundo emocional purifico aqui e agora. EU SOU pleno da Tranquilidade Divina!”
6- Olhando ao Alto e em frente, colocando o braço esquerdo flectido abre a mão, mantendo os dedos unidos e a mão em concha sobre o centro do plexo solar pensa:
“EU SOU a energia Pura de Deus-em-Mim, a Força e a Vitalidade Divina distribuindo ao meu redor!”
7- Coloca a mão esquerda em concha com os dedos juntos e abertos, com a palma virada para fora, frente ao centro do Coração. Com o braço direito que permanece levantado e a mão com o sinal do tridente, para o alto, visualizando o Círculo de Luz frente ao Seu (no qual permanece sem sair e no mesmo local desde o inicio) chama em Voz alta:
“Em nome da Amada, Poderosa e Triunfante Presença de Deus EU SOU-em-Mim; do Santo Ser Crístico Pessoal e da Mãe do Mundo, pelo poder magnético do fogo Sagrado investido na chama Trina que arde no meu Coração, eu invoco a Presença Sagrada do Meu Anjo Guardião para que Ele venha em Nome de Deus Pai, influir sobre a minha vida e me orientar. Ele vem, pela Vontade de Deus, ao Meu Apêlo apresentar-se no meio deste Círculo de Luz Branca que eu tracei, diante do meu círculo Branco Protector.

“Anjo Guardião a Quem a Bondade Divina me confiou nesta vida, em Nome de Deus Pai, O Supremo IAOM, manifesta a Tua presença neste Círculo!”
8- Depois disso, mentalmente, trace um círculo ao redor do seu e que envolva o do seu Anjo Guardião, de modo a que os dois Círculos fiquem no Centro desse, em Luz rosa, do Amor e do Espírito Santo.
9- Mentalize pétalas de rosa caindo no interior desse círculo de protecção de Luz Rosa, sobre o local onde está e o Seu anjo.
10- Diante do Seu Anjo agradeça-lhe a orientação que Ele lhe tem dado e não use nunca discursos negativos ou conversa de coisas por realizar.

Essencialmente agradeça-lhe apenas o que Ele por si fez e está fazendo.
Os Anjos como seres Divinos lêem os nossos pensamentos e sentimentos.
11- Depois disto, fique em silêncio e seja sensível aos sentimentos que vêm dentro de si. São sugestões do seu Anjo da Guarda e aquilo que ele busca dar-lhe a conhecer para você melhorar a sua vida.
12- Terminado o tempo que você acha ser suficiente para o contacto, baixe o braço direito e coloque a mão direita e a esquerda como se estivesse a fazer uma oração, palma contra palma, baixe a cabeça em gratidão e diga:
“Bendito Anjo do Senhor, Meu Guardião eu Te agradeço a Tua Presença aqui e peço que de agora em diante a Tua Presença me visite sempre que achar necessário.

“O meu Coração está aberto às Suas sugestões!

“Obrigado! Ide no Amor de Deus!”
13- Dirigindo-se ao Alto, com as mãos postas sobre o Coração diga:
“EU SOU a Presença de Deus-em-Mim, em acção aqui no mundo físico.

“Agradeço à Bondade Divina este contacto com o Meu Anjo Guardião. A partir de agora eu estou no Caminho dos Anjos.

“Que o Amor Divino me acompanhe permanentemente!

“Graças vos dou Senhor pela Vossa assistência!”
14- Depois deve dissolver os focos de Luz, começando pelo Rosa, seguido do círculo do Anjo e por último o seu, sendo que esse em vez de o dissolver dirá:
“EU SOU o Tubo de Luz da Protecção Divina em meu redor, permanentemente me envolvendo e defendendo.

“EU SOU cercado do Fogo Violeta permanentemente transmutando toda a negatividade do meu ser inferior, vencendo o ego, o meu mundo mental purificando as minhas emoções dirigindo e controlando os meus desejos libertando da influência do ego.

“Onde eu vá, toda a Proteção Divina vai comigo.

“Em nome de Deus Pai-em-Mim, do Filho, o Cristo Interno que EU SOU e da Mãe do Mundo, o Espírito santo, Amen!”
Assim, a partir daqui, o seu Anjo Guardião poderá aparecer-lhe em sonhos ou de outras formas.

Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra
57
Para conectar-se com o seu guia siga estes simples passos:

1. Relaxe em um lugar tranquilo. Tome algumas respirações relaxantes pelo nariz e solte o ar pela boca. Basta tentar ainda sua mente.

2. Quando a respiração torna-se "natural" falar com os seus guias. Silenciosamente dizer-lhes que quer conhecê-los um de cada vez e que está aberto para receber sua orientação.

3. Silenciosamente pedir que o guia que você precisa para atender à maioria neste momento se darem a conhecer a você agora.

4. Imagina (ver no olho da mente) que você está subindo uma colina suave na bela paisagem. É quente e ensolarado lá fora. Você sente o calor do sol em seus braços e face. Como você chegar ao cume da colina você vê uma pequena figura ao longe vindo em sua direção na estrada. Este é o seu guia.

5. Este guia levanta um braço e renuncia a você. Você renuncia a volta. O guia ainda está muito longe para dizer se é um homem ou uma mulher. Não tenho qualquer expectativa - não é de todo necessário que seu guia é nativo americano. Seu guia pode assumir qualquer forma e ser um ou outro sexo, ou sem um gênero específico também.

6. Você continuar caminhando árvores passado, um pequeno riacho murmurante e com cada passo, o guia está cada vez mais perto e mais detalhes são discerníveis.

7. Em algum ponto você é capaz de dizer se a pessoa caminhando em direção a você é um homem ou mulher, embora você não pode fazer as suas características faciais ainda. Você vê o que eles estão usando e pode tornar as cores de suas roupas.

8. Agora você está cara a cara. Você vê-los claramente. Você tanto chegar e abraçar. Você conheceu uma personalidade que se preocupa profundamente com você e cuja única finalidade é proteger o seu bem-estar. Você sente o amor que emana de seu guia.

9. Agora, o guia diz-lhe seu nome. É ........ Você ouve a sua voz é suave e amorosa.

10. Eles explicam como eles irão ajudá-lo e pode até dizer-lhe que o seu propósito nesta encarnação é. Não fique desapontado se no primeiro encontro tudo que você recebe é uma introdução. O guia se comunica com você que irá guiá-lo sempre que for necessário. Tudo que você precisa fazer é a prática de escuta.

11. Fique o tempo que você precisa, em seguida, retornar à plena consciência de seu entorno.

Não se esqueça de anotar todas as informações que foram dadas hoje. Lembre-se que você pode voltar a reunir-se com seu guia sempre que desejar. Você também pode atender às suas outras guias desta forma.

Faça o seu primeiro introdutório sessão. Não bombardeie seu guia com perguntas neste momento. Basta ouvir. É preciso prática e tempo para se acostumar a trabalhar com os seus guias para que não tente ir ao mar pela primeira vez.

Uma palavra de cautela, porém, eu aconselho você a se acostumar a trabalhar com um antes de enfrentar os outros. O melhor você começar a se comunicar com o primeiro o mais fácil será para ouvir os outros e não ficar confuso sobre quem está "falando".

Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra
58
Assuntos Místicos Generalistas / Trabalhadores da Luz , quem são?
« Última mensagem por Ricardo em Março 12, 2018, 03:27:13 pm »
A IDENTIDADE DO TRABALHADOR DA LUZ

Os Trabalhadores da Luz são almas que possuem o forte desejo interior de difundir Luz (conhecimento, liberdade e amor) sobre a Terra. Eles sentem isso como sua missão. São freqüentemente atraídos para a espiritualidade e para algum tipo de trabalho terapêutico. Devido ao seu profundo sentimento de missão, os Trabalhadores da Luz sentem-se diferentes de outras pessoas. Ao experimentarem diferentes tipos de obstáculos em seus caminhos, a vida os estimula a encontrar seu caminho próprio, único. Os Trabalhadores da Luz quase sempre são indivíduos solitários que não se adaptam às estruturas sociais estabelecidas.

Uma observação sobre o conceito de “Trabalhador da Luz”:

A expressão “Trabalhador da Luz” pode provocar mal-entendidos, já que diferencia um grupo particular de almas, do resto. Além disso, pode parecer sugerir que este grupo particular é, de algum modo, superior aos outros, por exemplo, àqueles “não Trabalhadores da Luz”. Toda esta linha de pensamento está em desacordo com a própria natureza e objetivo do trabalho da Luz. Permitam-nos expor brevemente o que há de errado nisso.

Primeiro, pretensões de superioridade geralmente não são iluminadas. Elas bloqueiam seu crescimento em direção a uma consciência livre e amorosa. Segundo, os Trabalhadores da Luz não são “melhores” nem “superiores” a ninguém. Eles simplesmente têm uma história diferente daquela dos que não pertencem a este grupo. Graças a esta história peculiar, que discutiremos mais adiante, eles têm certas características psicológicas que os distinguem como um grupo.

Terceiro, toda alma chega a ser um Trabalhador da Luz em determinada etapa do seu desenvolvimento. Portanto, a qualificação “Trabalhador da Luz” não está reservada para um número limitado de almas.

A razão pela qual utilizamos o termo “Trabalhador da Luz” – apesar dos possíveis mal-entendidos – é porque ela traz associações e agita memórias dentro de vocês que os ajuda a recordar. Também há uma conveniência prática, já que este termo é freqüentemente usado em sua literatura espiritual corrente.

RAÍZES HISTÓRICAS DOS TRABALHADORES DA LUZ

Os Trabalhadores da Luz trazem consigo a habilidade de alcançar o despertar espiritual mais rapidamente que outras pessoas. Eles carregam sementes internas para um rápido despertar espiritual. Por causa disso, parecem estar numa via mais rápida que a maioria das pessoas, se assim escolhem. Mais uma vez, isto não acontece porque os Trabalhadores da Luz sejam de algum modo almas “melhores” ou “superiores”. No entanto, eles são mais velhos que a maioria das almas encarnadas na Terra atualmente. Esta idade “mais velha” deve ser entendida, de preferência, em termos de “experiência”, mais que de “tempo”.

Os Trabalhadores da Luz alcançaram um estágio particular de iluminação, antes de encarnarem na Terra e começarem sua missão. Eles escolheram conscientemente envolver-se na “roda cármica da vida” e experimentar todas as formas de confusão e ilusão que fazem parte dela.

Fizeram isto para compreender completamente “a experiência da Terra”. Isto lhes permitirá cumprir sua missão. Só passando, eles mesmos, por todos os estágios de ignorância e ilusão, é que eles possuirão finalmente as ferramentas para ajudar os outros a alcançar um estado de verdadeira felicidade e iluminação.

Por que os Trabalhadores da Luz perseguem esta missão sincera de ajudar a humanidade, mesmo correndo o risco de se perderem, durante eras, na densidade e confusão da vida terrestre? Esta é uma questão da qual nos ocuparemos extensivamente mais adiante. Agora, diremos apenas que isto tem de ver com um tipo de carma galáctico.

Os Trabalhadores da Luz presenciaram a véspera do nascimento da humanidade na Terra. Eles fizeram parte da criação do homem. Foram co-criadores da humanidade. Durante o processo de criação, eles fizeram escolhas e agiram de formas que mais tarde vieram a lhes causar um profundo arrependimento. Eles estão aqui agora para reparar suas decisões de então.

Antes de entrarmos nesta história, citaremos algumas características das almas Trabalhadoras da Luz, que geralmente as distinguem de outras pessoas. Estes traços psicológicos não pertencem exclusivamente aos Trabalhadores da Luz e nem todos os Trabalhadores da Luz os reconhecerão como seus. Ao apresentarmos esta lista, simplesmente queremos dar um esboço da identidade psicológica dos Trabalhadores da Luz. Quanto às características, o comportamento exterior é menos importante do que as motivações internas ou intenções sentidas. O que vocês sentem por dentro é mais importante do que o que mostram externamente.

 CARACTERÍSTICAS PSICOLÓGICAS DOS TRABALHADORES DA LUZ

-Desde cedo em suas vidas, eles sentem que são diferentes. Quase sempre, sentem-se isolados dos outros, solitários e incompreendidos. Freqüentemente tornam-se individualistas e têm que encontrar seus próprios caminhos na vida

-Eles têm dificuldade para se sentir à vontade em empregos tradicionais e/ou em estruturas burocratas. Os Trabalhadores da Luz são naturalmente antiautoritários, o que significa que resistem naturalmente às decisões ou valores baseados somente em poder ou hierarquia. Este traço de antiautoritarismo está presente mesmo entre os que parecem tímidos e envergonhados. Ele está relacionado com a própria essência da missão deles aqui na Terra.

-Os Trabalhadores da Luz sentem-se atraídos para ajudar as pessoas, como terapeutas ou como professores. Podem ser psicólogos, curadores, professores, enfermeiros, etc. Mesmo que a sua profissão não esteja diretamente relacionada com ajudar pessoas, sua intenção de contribuir para o bem-estar da humanidade está claramente presente.

-Sua visão da vida é colorida por um sentido espiritual de como todas as coisas estão relacionadas umas com as outras. Consciente ou inconscientemente, eles levam dentro de si memórias de esferas de luz não terrestres. Podem – ocasionalmente – sentir saudades dessas esferas de luz e sentir-se como um estranho na Terra.

-Honram e respeitam profundamente a vida, o que freqüentemente se manifesta como afeição pelos animais e preocupação com o meio ambiente. A destruição de partes do reino animal ou vegetal na Terra pela ação do homem evoca neles profundos sentimentos de perda e aflição.

-São bondosos, sensíveis e empáticos. Podem sentir-se incômodos ao se defrontarem com um comportamento agressivo e geralmente têm dificuldade para se defender. Podem ser sonhadores, ingênuos ou profundamente idealistas, assim como insuficientemente “enraizados”, isto é, não ter os pés na terra. Como eles têm facilidade para captar sentimentos e humores (negativos) das pessoas que os rodeiam, é importante que possam, regularmente, passar algum tempo a sós. Isto lhes permite distinguir entre seus próprios sentimentos e os das outras pessoas. Necessitam de momentos de solidão para recuperar a própria base e estar em contato com a mãe Terra.

-Eles viveram muitas vidas na Terra, nas quais estiveram profundamente envolvidos com a espiritualidade e/ou religião. Estiveram presentes, em grande número, nas velhas ordens religiosas do seu passado, como monges, monjas, ermitães, psíquicos, bruxas, xamãs, sacerdotes, sacerdotisas, etc. Foram os que construíram uma ponte entre o visível e o invisível, entre o contexto diário da vida terrestre e os reinos misteriosos de pós-vida, de Deus e dos espíritos do bem e do mal. Por desempenharem este papel, muitas vezes eles foram renegados e perseguidos. Muitos de vocês foram sentenciados à fogueira devido aos dons que possuíam. Os traumas das perseguições deixaram profundas marcas na memória de suas almas. Isso pode manifestar-se atualmente como medo de estar completamente enraizado, isto é, medo de estar realmente presente, porque vocês se lembram de terem sido brutalmente atacados por serem quem eram.

PERDER-SE : O PERIGO PARA O TRABALHADOR DA LUZ

Os Trabalhadores da Luz podem estar presos nos mesmos estados de ignorância e ilusão que qualquer outra pessoa. Embora comecem de um ponto de partida diferente, a capacidade deles para romper o medo e a ilusão, com o propósito de alcançar a iluminação, pode ser bloqueada por muitos fatores. (Por iluminação, queremos dizer o estado no qual vocês compreendem que são essencialmente da Luz, capazes de escolher a luz em qualquer momento).

Um dos fatores que bloqueiam o caminho da iluminação para os Trabalhadores da Luz é o fato de terem uma pesada carga cármica, que pode levá-los a se extraviarem por bastante tempo. Como afirmamos anteriormente, esta carga cármica está relacionada com decisões que eles tomaram com relação à humanidade em suas etapas iniciais. Foram decisões essencialmente desrespeitosas para com a vida (falaremos disto mais tarde, neste capítulo). Todos os Trabalhadores da Luz que vivem agora desejam corrigir alguns de seus erros passados e recuperar e cuidar do que foi destruído por causa disso.

Quando os Trabalhadores da Luz completarem seu caminho através da carga cármica, isto é, quando liberarem todo tipo de necessidade de poder, compreenderão que são essencialmente seres de luz. Isso lhes permitirá ajudar outras pessoas a achar seu próprio ser verdadeiro. Mas primeiro eles mesmos têm que passar por esse processo, o que geralmente exige grande determinação e perseverança no nível interno. Devido aos valores e julgamentos neles incutidos pela sociedade, os quais freqüentemente vão contra seus próprios impulsos naturais, muitos Trabalhadores da Luz se perderam, terminando em estados de desconfiança de si mesmos, auto-negação e, inclusive, depressão e desesperança. Isto porque eles não conseguem se adaptar à ordem estabelecida e concluem que deve haver algo de terrivelmente errado com eles.

O que os Trabalhadores da Luz têm que fazer, neste ponto, é deixar de procurar validação externa, através de pais, amigos ou da sociedade. Em algum momento, você (que está lendo isto) terá que dar o salto para a verdadeira autorização, o que significa realmente acreditar em si mesmo e verdadeiramente honrar suas inclinações naturais e seu conhecimento interior, agindo de acordo com eles. Nós o convidamos a fazer isso e lhe asseguramos que estaremos com você em cada passo do caminho – exatamente como você, num futuro não distante, estará aí para ajudar outros em seu caminho.

 

© Pamela Kribbe             

Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra
59
Assuntos Místicos Generalistas / Os Quatro Maiores Medos Da Vida
« Última mensagem por Ricardo em Março 12, 2018, 03:25:58 pm »
O medo é uma reação involuntária causada quando passamos por algum estímulo estressante. O cérebro libera substâncias químicas que causam o disparo do coração, a respiração rápida, a contração do músculo, entre outras coisas. Tudo isso também é conhecido como reação de luta ou fuga. Abaixo, listamos os quatros maiores medos que alguém pode sentir na vida. Confira:

1 . Medo da Solidão

Existem duas opções que se pode considerar:

A primeira é o ego que trabalha a causa banal de lhe fazer crer que realmente está sozinho; mas você se encontra unido aos outros com a finalidade de ser protagonista da vida para merecer o reconhecimento em todos os níveis que imagina: na família, no casamento, no seu grupo de amizade, no trabalho e na sociedade.

A segunda opção é que o Espírito quer que você recorde que faz parte de uma totalidade. Que você sempre está ligado à energia total de Deus que se manifesta na alma interior que você possui. Uma luz que deve se expandir.

Quando tomar posse dessa luz interior, começará a olhar com os olhos de teu coração e, assim, você vai tomar consciência de que sempre terá boa companhia; com o seu interior e com o Criador Supremo. Passará a compreender que a solidão é uma maravilhosa oportunidade da vida para compartilhar consigo mesmo; e justamente neste momento começará a aparecer àquelas pessoas que vibrarão na sua mesma sintonia e na mesma intensidade que você.

2 . Medo da Escassez

Superar o medo de carência sem dinheiro ou oportunidades para ter cada vez mais abundância requer um trabalho consigo mesmo.

Deve dar a oportunidade para que suas emoções sintam esse “desejo de merecer o melhor par a sua vida”. O sentimento de vítima é um sinal de que o fantasma do medo está lhe abafando. Fuja dele.

Existe uma palavra de oito letras que, se a repetir sempre, começará a dar claridade ao estado de abundância que você tem dentro de si. Esta palavra é: “OBRIGADO”.

Quando agradece por tudo quanto tem neste instante e pelo que chegará a você, começa a perceber todas as coisas que Deus te oferece a cada dia. Graças a Ele por abrir seus olhos no dia de hoje, por respirar um dia a mais. Obrigado. Agradeça pela cama onde dorme, pelas situações que parecem adversas, porém lhe dá Sabedoria para agir. Obrigado pelo sorriso que o presenteia, assim como ao sorriso nessa pessoa que não conheço. Obrigado pelo meu trabalho, pela comida saudável, pela xícara de café. Agradeça por todas as coisas e, em pouco tempo, todos os seus desejos começarão a se materializar.

3. Medo da enfermidade

A enfermidade é um desequilíbrio do seu estado de consciência. Quando começar a se sentir fraco, está claro que perdeu a sua força interior. Enfermidade é uma palavra composto do latim “in-firmus”, que significa “Sem Firmeza”.

Se começar a se livrar das autoculpas, estará saindo da prisão do bloqueio mental e se libertará das enfermidades.

O filósofo Platão disse: “Mente sã em corpo são”. Pensa positivo e respeita a si mesmo.

A enfermidade pode contagiar a todos os viventes, como também pode contagiar a sua saúde mental.

Reconcilia-se com o passado, perdoa intimamente em seu coração. Rejeita os êxitos da dor permitida por você e encha o seu coração de alegria, perdão e paz.

Permaneça em silêncio porque Deus lhe falará neste instante de meditação.

O remédio para a enfermidade é o amor. E se dará conta que, como todos os medicamentos, o amor também vicia. Converta-se em “adicto do amor”. Encha-se de amor e nada vai lhe tirar o que não tem. Dê amor e receberá em troca, o amor.

Estará cada vez com mais saúde e plena vitalidade. O mundo necessita que esteja saudável para cumprir as mudanças neste planeta que necessita de curar a sua alma.

Se existe algo de que podemos estar seguros é que, quando Deus ordenar, partiremos desta vida; não antes nem depois. Quando o médico nos dá a primeira palmada para que comecemos a respirar, inicia-se a contagem regressiva; esse tic-tac que indica que vamos viver até o dia em que devemos “parar”. É por isso que a vida é um constante “preparar”, é decidir. Um convite que não se pode recusar para transcender e se superar a cada instante vivido até que chegue o momento do “fim”.

4. Medo da morte

Feche seus olhos um momento e imagine que uma semana atrás você morrera e que está em um cemitério visitando sua própria tumba. Olha a sua lápide e lerá o seu nome, sua data de nascimento e o dia de partida deste mundo. Continuando, pensa em qual frase que escreveria à humanidade sobre você, em seu próprio túmulo.

O que as pessoas diriam de você? Que fracassara em muitas áreas da sua vida? Que as pessoas agradecem que tenha partido da vida difícil? Que os outros sentem profundamente a sua partida e que deixou um vazio na humanidade que nada poderá preencher? No que você produziu? No que você cedeu? O que você doou? A quem você ajudou? A quem prejudicou?  De que bem material se privou para atender ao próximo?

Volta à realidade da sua vida. Reflita melhor. Escreva num papel o que deseja que seja gravado na pedra quando partir deste mundo. Trabalha, dia a dia, para merecer este enunciado que declara conscientemente. Todas as coisas ruins podem ser superadas pelo bem.

O medo da morte se supera quando a sua meta é aproveitar o transcendental da sua entrega, da sua bondade, pureza das emoções e o incondicional amor ao próximo. E com a plena capacidade de se desapossar sem impor condições, sem esperar retribuição.

Assim viverá na memória e nos corações de quem lhe faz companhia na vida e lhe faz feliz.
60
Assuntos Místicos Generalistas / Obsessores - Uma batalha de luz e trevas
« Última mensagem por Ricardo em Março 12, 2018, 03:25:10 pm »
Existe uma intensa atividade permeando o universo físico e o espiritual. Forças e energias espirituais influenciam a vida dos encarnados, muitas vezes de forma negativa, provocando comportamentos e atitudes negativas, criando uma atmosfera densa de ódio e desespero. Esses espíritos ligados aos vivos e distantes da grande Luz Divina, vivem só para isso. Estamos falando dos obsessores.

- Alex Alprim -
Obsessão: substantivo feminino. 1 - Diacronismo: antigo. 2 - Suposta apresentação repetida do demônio ao espirito. 3 - Apego exagerado a um sentimento ou a uma idéia desarrazoada. 4 - Ação de molestar com pedidos insistentes; impertinência, perseguição, vexação.

Se pudéssemos enxergar o mundo espiritual como vemos o universo físico, perceberíamos um grande número de espíritos passando por nós a todo instante: em nossas casas, no trabalho e nas mais diversas atividades, tanto interagindo como atuando junto ao mundo dos encarnados.

Na Terra, existe um sem número de forças espirituais, e nem todas com "boas intenções". Na verdade - segundo a literatura espírita obtida até os dias atuais por meio de psicografias, mensagens e contatos mediúnicos - o plano de evolução espiritual em que se encontra nosso planeta o leva a ser um local de expiação, no qual se concentra um grande número de espíritos vibrando nas baixas freqüências.

Esses espíritos vivem imersos em correntes energéticas e emocionais de ódio, raiva, egoísmo, amor não-correspondido, entre outras emoções, e estão de tal forma presos ao plano físico que muitos acreditam ainda estar em seus corpos carnais. Assim, vivem próximos das pessoas com as quais um dia conviveram, afastando-se dos planos espirituais mais elevados e atrasando sua reencarnação.

Entre esses espíritos, ainda existem aqueles que têm a consciência de que estão mortos e que não habitam mais um corpo físico; mas como ainda estão presos às vibrações mais baixas do mundo espiritual, realizam ações que visam prejudicar os vivos e atrapalhar ao máximo a vida e a evolução espiritual de suas vítimas encarnadas. Esses espíritos são os que chamamos de obsessores.

A Obsessão Nasce

Eles nascem de diversas formas. Sua sensibilidade à Luz Divina foi embrutecida pelo tempo e por sua natureza moral. Eles ficam estagnados num círculo vicioso e numa obstinação tão intensa que não é raro se esquecerem quando e por que tudo começou.

Na maioria das vezes, estão tão cansados e vivem há tanto tempo nessa condição que não sabem mais como caminhar em direção ao esclarecimento e à Luz de Deus, necessitando assim de toda ajuda que lhes possa ser fornecida.

É fácil para nós imaginarmos o surgimento de tais obsessões pelo caminho do ódio. Afinal, sabemos do que os homens são capazes quando tomados pela raiva descontrolada; mas também surgem obsessões, até mais graves, em virtude do amor. O amor gera correntes que, unidas a outros sentimentos (egoísmo, apego, carência afetiva intensa, falta de auto-estima), podem produzir obsessões.

A revolta, a dor, a raiva, podem mudar a energia do amor; basta que exista um grande apego alimentado por um forte egoísmo, gerado num coração que viva uma grande carência, e teremos um espírito que sentirá uma grande dificuldade de se separar dos entes queridos.

Como o amor e o ódio estão separados por uma barreira quase imperceptível, em algumas oportunidades, imaginamos que um espírito está com ódio, quando, na verdade, ele pode estar escondendo a dor de um amor não correspondido; ou até mesmo pode ser uma entidade que ainda quer manter o apego que tinha em vida, agindo de forma a manter a outra pessoa presa ao círculo de sentimentos que demonstrava quando o espírito estava encarnado.

De todas as formas de obsessão, a gerada pelo amor é a pior de todas, pois aquele que ama sequer pode imaginar ou aceitar que, na verdade, está atrapalhando seus entes queridos. Ele acredita estar ajudando-os, supondo que não poderiam viver sem sua presença e auxílio.

A relação entre o obsessor e suas vítimas é variada e segue por caminhos tortuosos, mas que inevitavelmente levam à degradação física e moral do obsedado, o que, por fim, pode levar à "vitória" do espírito obsessor. Entre as formas conhecidas de obsessão, vamos a seguir analisar as maneiras de ataque.

O Ataque das Trevas

Partindo do que observamos até o momento, percebemos que as obsessões são as ações que influenciam os vivos, estimulando reações e semeando a discórdia e o ódio, nascido da força exercida pelos espíritos inferiores. Eles influenciam maleficamente, como os demônios das histórias bíblicas, e assim como ocorre nessas histórias, as formas do obsessor atuar também são sutis e intangíveis, e só após muito tempo é que se tomam evidentes. Mas podemos dividi-Ias da seguinte forma:

Obsessão Simples

O espírito obsesso por meio da sua vontade, motivado pelos mais diversos sentimentos, exerce uma persistência férrea, tenaz, influenciando em todas as áreas da vida de sua vítima, provocando a ira de pessoas próximas, atrapalhando seus relacionamentos, atuando por meio de sugestões de pensamento que vão contra a forma habitual da vítima agir.

Na maior parte das vezes, com o auxílio da auto-análise e do bom-senso, a vítima afasta esses pensamentos "ruins" e retoma o controle da sua vida. E quando esse tipo de ataque é detectado, cabe ao obsedado confiar no caminho espiritual e fazer sua vida um exemplo de luz e de dedicação pessoal, pois dessa forma afasta a chance de novos ataques. Procurando praticar o bem, ele estará pautando sua vida de acordo com os ditames dos grandes mestres e livrando-se da ação do obsessor.

Fascinação

Esse tipo de obsessão é das mais difíceis de quebrar, isso porque a vítima não acredita que está sob efeito de qualquer força negativa. Na verdade, algumas vezes, ela julga que é a única que não está obsedada, enquanto todos à sua volta estariam.

Nesse caso, o espírito obsessor vai se inserindo discretamente e ganhando espaço na vida do obsedado; como uma planta daninha, vai se enraizando, plantando desconfianças e medos, manias e desejos, até o ponto em que se instala definitivamente. A pessoa estará de tal forma envolvida que quase se forma uma simbiose psíquica que, caso se concretize, tomará ainda mais complexa a situação.

Nesse caso, o bom senso e a autocrítica se esvaem e a pessoa precisa de uma intensa ajuda espiritual, do mais alto nível, para superar o assédio dessa força maligna. Às vezes, a obsessão leva a delírios nos quais o obsedado acredita ser uma pessoa com uma "missão divina", e pode até perder a razão, tornando-se um esquizofrênico, afastando-se do convívio social e, com o tempo, precisando de ajuda psiquiátrica.

Subjugação

É uma forma de obsessão na qual a vítima encarnada está sob domínio completo de uma força desencarnada. Quando esse tipo de obsessão ocorre, vemos a pessoa apática como se estivesse sonâmbula, tendo vontades que estão em desacordo com sua personalidade, e até afastando pessoas próximas que a critiquem ou que questionem suas "novas" atitudes.

O espírito obsessor não toma o lugar do espírito encarnado no corpo do obsedado. O que ocorre é uma supressão da vontade da vítima, por meio da supremacia da vontade do obsessor. Embora seja facilmente detectável, a sua cura exige uma mudança vibracional no obsedado, o que envolve uma grande disciplina moral e a aproximação aos ensinamentos e dogmas da Doutrina Espírita, de forma que leve o espírito obsessor a compreender sua falta e buscar o caminho da Luz Divina.

Auto-Obsessão

Mas ainda existem aqueles que, mesmo desencarnados, estão obsedados; e o pior, por eles mesmos. Tais espíritos acreditam serem pessoas sem valor e não se perdoam pelos" erros" que acreditam terem cometido em vida.

Eles acham que jamais poderão receber a Luz Divina e reingressar na via reencarnatória, pois estão presos a uma neurose espiritual tão intensa que os cega a tudo à sua volta. Em grande parte das vezes, infligem a si mesmos os mais diversos castigos e, mesmo quando recebem a ajuda de outros espíritos e das almas iluminadas, eles argumentam que seus crimes são imperdoáveis e anseiam por "castigos" que possam "purificá-los". Vivem acreditando que são indignos de qualquer perdão.

Mas a Luz Cura

Não existe como tratar a obsessão sem o apoio e o interesse de todas as pessoas envolvidas no caso. É necessário o envolvimento espiritual e pessoal para que tanto o obsessor quanto o obsedado se vejam livres das amarras que os prendem, de forma a alcançarem a luz e a liberdade.

Como a obsessão é um processo com profundas raízes espirituais, é preciso tomar cuidado e não agir solitariamente para debelar o problema. É sempre necessária a presença de um grupo considerável de médiuns, e o tratamento deve ser feito de preferência em um centro espírita ou outro local especializado nas práticas de curas espirituais.

A reunião para tratar tais casos tem características específicas, pois todos os esforços devem ser coordenados e deve-se agir com um grande senso de solidariedade e compaixão. Antes de começar o trabalho, é necessário definir o foco que será seguido, e todos deverão exercitar sua força de vontade de forma a que formem um só feixe de energia e de Luz Divina. O obsedado deverá ser assistido com práticas espirituais diárias, que sejam instrutivas e que lhe dêem um forte alicerce. Além disso, deverá praticar atos sadios e desenvolver novamente a sua força de vontade, quebrando as amarras e correntes que foram forjadas no universo espiritual.

A prece, mesmo que seja uma oração pessoal e singela, é de grande valor na prática da cura da obsessão. Ela deve ser acompanhada por meditações e pelo aprofundamento da vítima nos assuntos espirituais, pois isso lhe dará os recursos necessários para ir além e renascer para uma vida plena e livre das vontades obsessoras.

Deve ser dada igualmente uma especial atenção ao ambiente e ao lar do obsedado, o qual deve ser limpo das manifestações dos espíritos baixos, pois eles se manifestam com mais facilidade em ambientes sujos, malcuidados e com grande quantidade de energia negativa estagnada. Para melhorar esses ambientes é preciso livrar-se de plantas velhas e doentes, de coisas quebradas, e deixar o ar ventilar em todos os cômodos, além de sempre fazer orações e preces em todos os locais da casa onde se sinta a presença de forças obsessoras.

A família é uma grande chave para a cura da obsessão. É ela que toma possível a recuperação do obsedado, que fortalece a vítima por meio da infinita energia do amor e lhe dá a chance de recuperar o controle sobre sua vida. Recomenda-se a todos seguirem a prática espiritual da prece e a leitura de material espiritual inspira dor. Dessa forma, cria-se uma corrente fluí dica positiva em torno de todos, gerando a elevação da freqüência vibracional dos espíritos em volta das pessoas que estão imersas na situação; assim, elas recebem cada vez mais força e energia desses espíritos iluminados, gerando um círculo virtuoso e próspero de amor e luz.

O processo obsessivo possui sempre raízes profundas, e a melhora do estado obsessivo varia em cada caso. Algumas vezes, não notamos sinais de melhora, pois cremos que tudo deve ser instantâneo, como se fosse um remédio engolido às pressas para uma dor de cabeça. Depois, quando se vê que a cura demandará semanas, e não dias, abandonam-se as práticas e surge a descrença quanto à eficácia da cura, buscando outros recursos para se ver livre do obsessor. Mas, não raro, tais caminhos apenas levam a mais dor e problemas.

A perseverança é a ferramenta principal para a libertação do obsedado, e ela é necessária para seguir o tratamento e atingir os objetivos e metas da plenitude, da paz e da liberdade. A Bondade Divina atende a todos mediante o empenho de cada pessoa, que ela comunica ao universo, por meio de suas ações e dedicação, os caminhos e "atalhos" que lhe surgem à frente.

Além do que vimos anteriormente, existe uma ferramenta que é um dos recursos heróicos no combate à obsessão: é a chamada sessão de desobsessão. Essa sessão deve ser usada em casos extremos, quando tudo já foi tentado sem resultado e, pelos caminhos da humildade e da fé, mostra-se necessário ajudar alguém que sofre de tal mal.

Para tal é necessária a presença de um grupo de médiuns seguros, que exercitem a doutrina em todos os instantes de sua vida. Para o sucesso da sessão é preciso a tutela de um orientador que possua grande autoridade e uma intensa força de vontade, inabalável crença na Força Divina, a fim de se dirigir aos espíritos obsessores. Ele deve ser conhecedor do assunto, com prática e facilidade para expor a doutrina, e suas ações devem sempre ser o reflexo de suas palavras, não agindo com hipocrisia e tampouco se deixando levar pelo orgulho, pois ambas se tornam fissuras que prejudicam o trabalho espiritual da desobsessão.

Durante a sessão, ele deve agir procurando orientar, ensinar e esclarecer o obsessor quanto aos males que está praticando. Enquanto isso, todos os médiuns deverão se unir em um só coro espiritual de luz e oração.

Nessas reuniões - que devem ser feitas com um extremo cuidado e com preparo consciente por parte de todos - o obsedado não deverá estar presente, ficando em sua casa em meio a preces, leituras ou meditação, para auxiliar o trabalho. E a sessão deverá ser repetida ou retomada enquanto for necessário.

Concluída a conversão do obsessor, o ex-obsedado deve ser esclarecido quanto à necessidade de modificar os padrões de vida que o levaram àquela situação. Deve ser dito a ele tudo o que fez e que provocou tamanho caos. Não devemos poupar a pessoa, seja por sua sensibilidade ou por questões pessoais, pois assim estaríamos impedindo-a de crescer e evoluir espiritualmente.

Para evitar uma recaída, ele também deverá manter a disciplina desenvolvida durante a desobsessão, reforçando as suas defesas morais e espirituais, não deixando de tomar cuidado com suas ações e palavras, a fim de enriquecer sua vida espiritual e deixar as baixas vibrações para trás.

Fonte: Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra
Páginas: 1 2 3 4 5 [6] 7 8 9 10