Autor Tópico: Observações sobre programação reencarnatória  (Lida 237 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Offline Ricardo

Observações sobre programação reencarnatória
« em: Janeiro 26, 2017, 12:34:11 am »
A duração de uma existência corporal, a profissão a ser desempenhada, a família, os ascendentes, os descendentes, as provas de natureza material, as provas morais, eis tópicos que formam, como sabemos, a programação reencarnatória de um Espírito, fato que não deveria causar surpresa alguma, uma vez que em nossas relações cotidianas o planejamento há muito passou a ocupar um lugar importante.
A família decidiu, por exemplo, passar o mês de férias no litoral catarinense. Onde ficarão seus componentes? Usarão um imóvel alugado ou emprestado? Em que dia partirão? Irão de carro ou de avião? Quando ocorrerá a volta? Há recursos financeiros suficientes? No local do veraneio há bancos? Chove ali nessa época do ano? Se chover, costuma fazer frio?
Todas as perguntas apresentadas e as respectivas respostas compõem um rol, que nada mais é do que o plano de férias. E note o leitor que se trata de uma simples viagem que durará talvez menos de 30 dias!
A reencarnação é, ao contrário disso, uma longa viagem cujo objetivo não é, como no exemplo mencionado, curtir férias. Trata-se de algo mais profundo, com metas psicológicas e objetivos complexos, que envolvem um grupo grande de pessoas, cujos destinos estão, por assim dizer, entrelaçados.
André Luiz relata num de seus livros o caso de uma família bem simples, casal e quatro filhos, que de repente passou a enfrentar uma dura provação com o falecimento por suicídio do chefe da casa. Como os suicídios não fazem parte de nenhuma programação, a evasão daquele pai causou uma dificuldade inesperada para a esposa e as crianças, o que tornou necessária para aquelas pessoas a revisão do programa, ou seja, uma reprogramação.
Fatos assim ocorrem no dia a dia de nossas existências. O veículo que nos transportava sofreu uma pane. Perdeu-se, assim, a conexão com o voo programado e, a partir daí, uma sucessão de problemas que exigirão, por sua vez, a revisão do plano antes estabelecido.
Quando vim para Londrina, aos 18 anos de idade, meu objetivo era um só: cursar a Faculdade de Matemática. Saí de Minas Gerais com esse propósito, que constituía, à época, o sonho de minha vida. Para tanto, demiti-me do emprego, deixei as aulas no colégio da cidade em que lecionava e viajei para um lugar que não conhecia, situado a mais de 1.100 km de minha cidade natal.
Cheguei em um domingo. No dia seguinte, fui à Faculdade para me inscrever no vestibular. Ocorre que não existia Faculdade de Matemática em Londrina, nem em localidade alguma situada num raio de 150 km. A mais próxima ficava em Jacarezinho. Meu irmão, com quem vim morar, havia-se equivocado e, por causa disso, passou-me uma informação inexata.
A vontade, em face da frustração, foi voltar imediatamente. Mas acabei ficando, cursei outra faculdade e, com o passar dos anos, compreendi que tinha de vir para Londrina e só viria assim, seduzido por um sonho que não se realizou mas deu lugar a outro que, sem dúvida alguma, estava previsto na chamada programação reencarnatória.



Tags: