Mensagens recentes

Páginas: 1 2 3 4 [5] 6 7 8 9 10
41
Assuntos Místicos Generalistas / Natal - O Três Reis Magos
« Última mensagem por Ricardo em Março 12, 2018, 03:38:50 pm »
Sem permissão para ver imagens. Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra


Os Três Reis Magos

Reis MagosOs três Reis Magos surgem como sábios vindos do Oriente com o propósito de venerarem o Menino Jesus, o novo Rei dos Judeus que tinha nascido.

O caminho até Belém onde se encontrava o Menino, é-lhes indicado por uma estrela, a Estrela de Belém e devido à grande distância percorrida pelos Reis Magos até lá, diz-se que a visita destes se fez no dia 6 de Janeiro.

É no Evangelho de S. Mateus que encontramos a única referência à existência dos Reis Magos. Foi no séc. V que Orígenes, erudito da igreja antiga e Leão Magno, sacerdote e mais tarde Papa e Santo, lhes conferem o título de Reis Magos. E só no séc. VII é que lhe foram atribuídos nomes: Gaspar ("aquele que vai inspeccionar), Baltazar ("Deus manifesta o Rei") e Belchior/Melchior/Melquior ("meu Rei é luz"). No séc. XV é associada uma raça a cada um dos Reis Magos, de modo a representar toda a raça humana que se conhecia na época.

Por tradição diz-se que são três devido aos três presentes oferecidos: Ouro, Incenso e Mirra. Crê-se que não seriam propriamente Reis mas talvez Sacerdotes, Conselheiros ou até Astrónomos.

Na antiguidade, era costume oferecer-se ouro a um Rei, incenso a um Sacerdote e mirra a um Profeta. Por isso Belchior, de raça branca, ofereceu ouro reconhecendo-Lhe realeza; Gaspar, representando a raça amarela, ofereceu-Lhe incenso atribuindo-lhe divindade e, finalmente Baltazar, de raça negra, ofereceu mirra que representava a imortalidade.

É na idade média que começa a devoção aos Reis Magos e, no séc. VI as suas relíquias são levadas de Istambul para Milão. Sendo já considerados Santos em 1164, foram levados para a catedral de Colónia, na Alemanha.

Actualmente, os Reis Magos fazem parte das tradições de Natal, nomeadamente pelas suas figuras, que são colocadas junto ao presépio. Celebram o nascimento de Jesus, através da sua visita e da oferta de presentes, criando-se a tradição de trocar prendas nesta época festiva. Daí que, em países como a Espanha, se proceda à troca de prendas só no dia 6 de Janeiro.

 Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra
42
Assuntos Místicos Generalistas / Arco Íris Duplo
« Última mensagem por Ricardo em Março 12, 2018, 03:38:14 pm »
Sem permissão para ver imagens. Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra
 

A maioria das pessoas concorda que os arcos-íris são alguns dos mais belos presentes  que nos deu a natureza. Coloridos, mágicos e impossíveis de serem "capturados", eles nos remetem a antigas lendas e histórias entre deuses e humanos, mágicas criaturas e maravilhas naturais. Um arco-íris duplo é ainda mais fascinante, e quase todas as culturas acreditam que eles têm um significado positivo.
 
Embora um arco-íris possa, tecnicamente, ser encontrado dentro de uma garrafa com água ou numa simples poça d'água, são as grandes dimensões dos arcos-íris duplos no céu que nos tiram o fôlego e fazem pessoas de todas as culturas, gêneros e crenças dar uma pausa para apreciar a beleza.
 
Uma das coisas mais frustrantes e mágicas acerca dos arco-íris, é que eles, na verdade, não têm fim, e que as suas chances de encontrar aquele mítico pote de ouro são iguais às de encontrar um duende. Se você ficar parado onde "pensa" ser o final do arco-íris, você o veria de outro lugar. Esta é uma das maiores ilusões de óptica da natureza. Tudo depende do ângulo do sol e onde está concentrada a umidade no ar.

Ver um arco-íris é uma daquelas experiências que ultrapassam todos os limites entre as pessoas. Não importa a sua cultura, um arco-íris, sem mencionar um duplo, é um prazer a ser apreciado. Este foi fotografado sobre o lago Vaimela Alajarv, na Estônia. Dizem que todos os arcos-íris são duplos, mas somente quando seu efeito é muito forte é que os olhos humanos podem perceber o segundo e mais pálido arco-íris.
 
De acordo com a Wikipedédia, "um segundo arco-íris acontece devido a uma dupla reflexão da luz do sol nas gotas de chuva, e aparece em um ângulo de 50°–53°. Devido à reflexão extra, as cores do arco são invertidas quando comparadas com o arco-íris principal, com o azul no lado externo e o vermelho no interno. A região entre o arco-íris primário e secundário é denominada banda de Alexandre, em homenagem a Alexandre de Afrodisias, o primeiro a descrevê-lo."


Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra
43
Assuntos Místicos Generalistas / Natal - A Árvore
« Última mensagem por Ricardo em Março 12, 2018, 03:37:40 pm »
Sem permissão para ver imagens. Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra


A Árvore de Natal

Árvores de NatalO uso de uma árvore como símbolo remonta desde o segundo milénio antes de cristo. Os Indo-europeus consideravam as árvores expressão de fertilidade, prestando-lhe culto. Por outro lado, a civilização Egípcia atribuía à tamareira o significado vida, representando os vários estágios da vida humana (árvore da vida). Esta era enfeitada com doces e frutas. Também os Gregos usavam as árvores como “intermediários” entre o céu e a terra, fazendo através delas, reverência aos deuses. Os Romanos costumavam enfeitar pinheiros com máscaras de Baco, o deus do vinho, para venerar o deus Saturno, que era o deus da agricultura, da justiça e da força. A festa era chamada de “Saturnália” e coincidia com o nosso Natal. Já na China, o pinheiro significa longevidade, enquanto no Japão simboliza imortalidade.

A primeira referência à árvore de Natal aparece no séc. XVI, na Alemanha (Straßburg), que é hoje território francês (Strasbourg), e conhecemos por Estrasburgo. As famílias de lá costumavam enfeitar os pinheiros, na época de Natal, com luzes, flores de papel colorido, doces e frutas. Esse costume foi-se espalhando primeiro por França (séc. XIX), Inglaterra (séc. XIX), Estados Unidos e, no séc. XX, tornou-se tradição em Espanha e na maior parte dos países da América Latina.

Também se conta que a origem da árvore de natal foi quando o sacerdote Martinho Lutero, também no séc. XVI, adornou uma árvore com luzes no dia de Natal, de modo a simbolizar o nascimento de Jesus, luz do mundo.

No início, a Igreja Cristã negou-se a adoptar esta tradição pagã. O pinheiro de Natal só passou a fazer parte das decorações natalícias nos lares cristãos há cerca de 100 anos. Quando os missionários adoptaram o costume da árvore de Natal, escolheram o abeto, de forma triangular, para representar a Santíssima trindade, de modo a apagar a simbologia pagã associada.

Segundo a tradição alemã, ao decorar árvore de Natal, deveremos incluir doze adornos, de modo a garantir a felicidade desse lar, que passamos a nomear:

- Uma casa, que significa protecção;

- Um coelho, que significa esperança;

- Uma chávena, que significa hospitalidade;

- Um pássaro, que significa alegria;

- Uma rosa, que significa afecto;

- Um cesto de frutas, que significa generosidade;

- Um peixe, que significa a bênção de Cristo;

- Uma pinha, que significa abundância;

- Um pai Natal, que significa generosidade;

- Um cesto de flores, que significa bons desejos;

- Um coração, que significa amor;

- Luz, que significa a vida (Cristo).

Hoje em dia encontramos a árvore de Natal em quase todas as casas, quer se trate de famílias cristãs ou não, como elemento decorativo da época de Natal.

Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra
44
Assuntos Místicos Generalistas / Natal - A Coroa
« Última mensagem por Ricardo em Março 12, 2018, 03:37:15 pm »
Sem permissão para ver imagens. Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra


A Coroa de Natal

O Advento (Adventus: chegada e Advenire: chegar a) traduz-se no primeiro tempo do ano litúrgico que antecede o Natal (corresponde às quatro semanas antes do Natal). Os cristãos consideram-no um tempo de preparação e de alegria que antecede o nascimento de Jesus. É um tempo para promover o arrependimento, a harmonia e a paz, e celebrar a vinda de Jesus Cristo à terra.

Entre os vários símbolos do Advento, encontramos a coroa de Natal ou grinalda do Advento.

O uso de coroas como decoração é um costume antigo. Os romanos usavam ramos verdes que enrolavam nas suas coroas. Também exibiam coroas de ramos verdes nas suas portas como sinal de saúde para todos os que lá habitavam.

A coroa de Natal caracteriza-se por ser feita de galhos verdes entrelaçados, de cipreste ou abeto, que representam a vida. Os seus galhos verdes, mesmo no inverno, significa que os cristãos devem manter a fé e a esperança, apesar de todas as contrariedades.

A coroa de Natal forma um círculo que representa a união existente entre Deus e os Homens, símbolo contínuo e eterno de amor a Deus e ao próximo e Dele pelos Homens.

Tradicionalmente, é decorada com quatro velas que representam as quatro semanas do Advento. As velas são acesas, uma a uma, a cada domingo, até estarem todas acesas. As velas indicam a proximidade do nascimento de Jesus, o Salvador, que trará luz ao mundo. Representam também a fé, a celebração e a alegria pelo Seu nascimento. A primeira vela a ser acesa representa o perdão que Deus concedeu a Adão e Eva; a segunda vela representa a fé de Abraão, a quem se anunciou a terra prometida; a terceira vela recorda a alegria do rei David quando Deus prometeu eterna aliança; a quarta e última vela lembra os ensinamentos dos profetas, que anunciaram a vinda do Salvador. Normalmente, as cores das velas acompanham as cores das vestes litúrgicas do sacerdote nesta época (cor roxa para as velas que correspondem ao primeiro, segundo e quarto domingo, e a cor rosa para a vela do terceiro domingo).

A colocação da fita e do laço vermelho, envolvendo a grinalda, simbolizam o amor de Deus por todos nós, renascido pela vinda de Jesus.

As bolas, frutas ou pinhas que se podem colocar na coroa representam o fruto do Espírito Santo que sai dos corações de cada cristão.

A colocação da coroa de Natal numa casa representa a presença de Jesus nesse lar. É costume ser posta na porta de entrada, mas pode também pode ser colocada dentro de casa.

Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra
45
Assuntos Místicos Generalistas / Natal - Presépio
« Última mensagem por Ricardo em Março 12, 2018, 03:36:46 pm »
Sem permissão para ver imagens. Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra


A palavra Presépio deriva do latim praesepium, que quer dizer curral, estábulo ou lugar de recolha de gado.

Conta a tradição católica que o presépio teve origem surgiu no séc. XIII, em Úmbria (região da Itália central). Foi S. Francisco de Assis que, com a permissão do Papa, criou um presépio com figuras humanas e animais, recreando o local de nascimento de Jesus, que serviu de pano de fundo para a missa de Natal desse ano. Esta representação teve tanto sucesso, que se tornou numa referência Cristã, representativa do Natal, em quase todo o mundo.

Em Portugal, o presépio tem tradições muito antigas (por volta do séc. XVII). É colocado no início do Advento sem a figura do menino Jesus, que será posta na noite de Natal, após a missa do galo. O presépio é desmontado no dia seguinte ao Dia de Reis.

Na tradição Portuguesa, as figuras que se colocam no presépio, além da Sagrada família (S. José, Maria e o Menino Jesus), dos pastores e alguns animais, e dos três Reis Magos, também encontramos figuras como o moleiro e o seu moinho, lavadeiras, membros de um rancho folclórico e outros personagens típicos da cultura portuguesa. Tradicionalmente feito de barro, podemos encontrar ainda peças de diversos materiais, desde tecido ou madeira até porcelana fina.

Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra
46
Assuntos Místicos Generalistas / O Despertar Espiritual e as Amizades
« Última mensagem por Ricardo em Março 12, 2018, 03:36:14 pm »
Sem permissão para ver imagens. Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra


Nesta intensa busca pelo encontro da minha verdadeira essência, neste intenso despertar espiritual ao qual me encontro, uma das dificuldades que encontrei ao longo deste caminho foi que as amizades não estavam mais acompanhando a frequência na qual eu estava, comecei a sentir uma repulsão por hábitos, conversas e atitudes que anteriormente ao meu despertar eu me interessava.

Convites para beber em bares não faziam mais sentido, convites para shows e locais por vezes “carregados” energeticamente me repeliam, podia sentir as companhias espirituais dos meus amigos e a vibração densa destes tipos de locais.

Alguns amigos me chamavam para fazer algumas coisas que já não faziam mais sentido em minha vida. Não surgia um convite de meditação, cursos, palestras ou outras atitudes que podiam acrescentar algo no meu despertar.

E não é que devemos virar santos ou subir no alto de uma montanha e meditar até transcender, ficar num mosteiro orando o dia todo, o aprendizado se dá por nossas relações, assim se dá a evolução na nova era.


Mas a lei da afinidade nos repele ou nos atrai segundo nossas energias, isso vale tanto para encarnados, quanto para desencarnados.

Assuntos e atitudes que outrora faziam parte da minha vida, como ir para festas, me divertir bebendo como se não houvesse amanhã não me alegrava mais, atitudes da adolescência não faziam mais sentido, chegava nestes locais e via que estas pessoas estavam de certa forma fugindo delas mesmas, para não enxergarem que de alguma forma precisavam se modificar, o que podemos chamar de reforma íntima.

As famosas fofocas, julgamentos e conversas que giravam em torno do eu (egóicas) já não me interessavam mais, eu queria conversar acerca da espiritualidade, acerca de ajuda ao próximo, de assuntos sobre a modificação do mundo.

Não fazia mais sentido viver só em minha função, eu queria ajudar as pessoas que estavam despertando e assim como eu estava dispostas na reforma íntima.

E a cada dia eu ia me distanciando de algumas pessoas que amo muito, mas que a energia estava me repelindo de alguma forma.

Tendo contato com meus mentores espirituais por meio da educação mediúnica tive oportunidade de perguntar ao mentor espiritual que me acompanha se isso era normal no despertar espiritual, ele me respondeu que isso era necessário a todo buscador espiritual e disse que em breve eu me afastaria deles por lei de afinidade.

Pensei racionalmente com meu eu inferior, meu ego/personalidade: “E a lei de amor? Me afastando não estaria fazendo o contrário?”

A resposta foi muito esclarecedora:

“Filho, a caridade é linda, devemos ajudar todos ao nosso redor, mas não adianta querer ajudar quem não quer ser ajudado, cada um tem seu tempo para despertar e primeiramente você deve se equilibrar, se curar, aumentar sua frequência vibratória e tentar a cada dia se reformar intimamente, afastando-se de pessoas e locais que não estão na sua frequência vibratória, você sairá de um círculo vicioso de energias que por muito tempo compartilhou, cria-se uma dependência energética, um vampirismo dependendo do tipo de pensamento e de atitudes, dependendo de suas companhias.

Sabe aquilo que os pais sempre dizem: Diga com quem tu andas e eu direi quem tu és, a pura verdade. Você não deixará de amar por não estar ao lado dos que tanto ama, você só não pode ficar recebendo certos tipos de energias que não fazem mais sentido em sua vida.

E amor é querer o bem do outro, não é apego, não é ter que ver todo dia, ou ter que dar satisfação de tudo o que faz, amor não é apego. Ore por eles para que despertem assim como você despertou, se tiverem maturidade entenderão sua escolha e você perceberá se era amizade, apego ou algum tipo de carência. Não se culpe e não fique triste, pois aparecerão pessoas na sua frequência, que serão amigos que você poderá contar pelo resto de sua vida.

Eles sim estarão dispostos a conversas salutares de amor ao próximo, estarão dispostos a se reformar intimamente e serão sinceros, assim como você nesta busca do RELIGARE consigo mesmo.

Tenha certeza que os amigos que não estiverem em sua frequência irão falar que falta humildade, irão falar que você está obcecado por suas crenças, que está se tornando chato em seus assuntos, que virou fanático, isso é normal.

Eles te criticarão e poderão ficar magoados. Siga o seu caminho, cada um tem uma missão espiritual e a sua está ligada à um contato extremo com o mundo espiritual."...

Ele continuou:

“ Imagine um rio, após seu despertar você nadou muito nele, e por vezes a correnteza te trouxe de volta a margem. Existem seres, tanto encarnados, quanto desencarnados que não querem que você atravesse para o outro lado do rio. Nesse rio você se deparou com muitos obstáculos e um deles foi esse afastamento das pessoas que gosta. Mas uma coisa é certa, agora que conseguiu atravessar o rio do despertar espiritual e que conhece a realidade espiritual e os bons hábitos, você só voltará para a outra margem do rio se quiser. As críticas virão, concentre-se em vencer o orgulho e a vaidade e saiba que você não está querendo ser melhor que os outros, muito pelo contrário, você teve humildade suficiente para identificar o que e quem não está mais condizendo com sua frequência e decidiu mudar”.

Eu fiquei pensando bastante nisso, por volta de um ano, tomar tal atitude não seria fácil e estava doendo dentro de mim, pois não chegava a uma decisão.

Eu me afastaria ou não? Até que um dia me deparei com um artigo na internet em que tudo fez sentido, o nome dele era – As cinco dores do crescimento espiritual. A primeira dor era – Perda de amigos e falava o seguinte:

Isso pode ser especialmente traumático para essas pessoas. Tornando-se mais espiritualmente conectado pode mudar muita coisa sobre você muito rapidamente, e isso pode afetar algumas de suas amizades mais próximas.

Isso pode causar que alguns de seus amigos azedem com você, distanciem-se de você e, mesmo, até lhe humilhem. Antes, talvez você estivesse disposto a se envolver em comportamentos que agora parecem errados, como fofocar, reclamar, ou discutir alguns temas com o seu grupo de amigos.

Também é provável que os temas que você discutiu com os seus amigos agora fazem você se sentir vazio e você prefere discutir questões que os seus amigos não entendem ou não estão interessados ​​em.

Eles podem até chamá-lo de louco por elas. Infelizmente, estas diferenças de perspectiva e comportamento às vezes podem ser o suficientes para romper amizades que significaram muito para você ao longo dos anos.

Perceba que tudo o que você pode fazer é ser fiel a si mesmo e permitir que as fichas caiam. Você não tem o poder de converter ninguém ao seu modo de pensar, e nem deve. Tudo o que você pode fazer é ser genuíno e sincero, e o Universo irá conectá-lo com as pessoas que estão em maior sintonia com a sua nova vibração.

Pude perceber que isso é normal a todos os buscadores espirituais, ao aumentar nossa frequência vibratória e mudarmos nossos hábitos, atitudes e locais em que frequentávamos anteriormente, algumas energias não condizem mais com nosso campo energético e nos repelem.

Por vezes nos afastando até de alguns familiares que nos fazem mal de alguma forma, que só reclamam, só falam de suas vidas, das notícias da tv e fazem de tudo para nos sugar energeticamente.

Tal reflexão se torna quase um depoimento, mas tenho certeza que muitos buscadores espirituais estão passando por isso agora, é uma fase de separação que está ocorrendo na terra energeticamente falando, semelhante atraindo semelhante.

Então as amizades começarão a mudar caso não esteja mais em sua frequência vibratória. Desfaça os nós que ainda te prendem ao passado e dê um salto quântico em sua energia, é tempo de mudança, não se culpe.

Se isso esta acontecendo com você é sinal de que você está seguindo o fluxo natural da Nova Era, o ciclo da mudança.

NAMASTÊ!

Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra
47
Assuntos Místicos Generalistas / Cannabis: o poder erótico e espiritual da Erva
« Última mensagem por Ricardo em Março 12, 2018, 03:35:11 pm »
Cannabis: o poder erótico e espiritual da Erva

Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra



Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra
A deusa egípcia Seshat representada com uma folha de marijüana sobre a cabeça. Seshat foi uma divindade protetora das bibliotecas, do conhecimento e da geomancia entre outras coisas.

DIR.: Bast, a Artemis grega, deusa da sabedoria. Entre os egípcios, zoomorfa meio-gato, meio-mulher, acreditava-se que dominava variados aspectos da vida civilizada: do Sol Nacente, como filha de Rá; e também deusa da iluminação [intelectual], do lar, do sexo, da fertilidade e do parto, dos prazeres físicos e, curiosamente, deusa das lésbicas que, no país do faraó, eram associadas à verdade, honestidade.

In CANNABIS PR-NTR-KTM

As origens do uso erótico/sexual da marijüana remonta ao surgimento dos ritos de fertilidade associados às primeiras práticas da agricultura - em uma época em que a ligação do homem com a terra, com os campos, era compreendida como uma relação religiosa. Entre comunidades primitivas de caçadores, os shamans usaram a magia "imitativa" ou magia simpática [de reprodução, representação da realidade] para obter sucesso na expedições de caça. Vestiam peles de animais, envergavam cabeças de grandes mamíferos em suas danças mágicas. Quando as comunidades fizeram sua transição da economia de caça-coleta para a economia agrária, a mesma lógica foi aplicada aos campos cultivados. Os ciclos das colheitas eram acompanhados de simbolismos e festas rituais.

Para estimular o bom desenvolvimento dos campos, os primeiros agricultores acreditavam na necessidade de renovar, periodicamente, o "matrimônio" entre a divindade da Terra e a divindade dos Céus. [Como na mitologia grega, Urano, o Céu, fecunda a Terra, Gaia]. O tema principal desses rituais, portanto, era o sexo, posto que era/é meio de fecundação. Orgias coletivas eram praticadas nos campos; orgias que, mais tarde, foram ritualizadas em cerimônias fechadas entre o rei e sua consorte ou entre sacerdotes e sacerdotisas.

A cannabis é considerada uma das culturas mais antigas da humanidade e a planta tem poderosas qualidades afrodisíacas. As práticas orgiásticas começaram precocemente justamente entre aquelas comunidades pioneiras no cultivo e uso da planta e uma das primeiras práticas religiosas da humanidade foi o coito ritual praticado nos campos.

Experiência Religiosa

O pesquisador da marijüana, Sula Benetowa, diz que a origem deste antigo culto, da cannabis, pode ser encontrada no Oriente Médio. No artigo Tracing Onde World Through Different Languages, ele escreve: "Tendo em conta o elemento matriarcal da cultura semita é possível afirmar que a Ásia Menor foi o centro de onde se propagou ambos os caracteres socioculturais: o matriarcalismo e o uso massivo do hashish [essência oleaginosa da maconha].

Um desses "elementos matriarcais" refere-se ao culto da deusa semita Asherah [em algumas tradições, dita consorte de Jehová], para quem era queimada a cannabis como incenso sagrado. Os corpos também eram "ungidos" com um o óleo da cannabis, o Santo Óleo, semelhante ao usado por Moisés e outros profetas e reis judeus da Antiguidade. [ver CC#5, Kaneh Bosm: the hidden story of cannabis in the old testament].

Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra


Objetos relacionados ao uso de cannabis foram encontrados em tumbas congeladas dos antigos Citas [Scythians] nas montanhas Altai, na fronteira entre a Rússia e a Mongólia. No sítio arqueológico também foram achadas sementes e restos dos "frutos" [berlotas] da planta. O Citas usavam a maconha reunindo-se em cabanas onde a erva era queimada e todos aspiravam seus vapores "mágicos" - um "efeito sauna". Essa prática de "repirar cannabis" foi mencionada por Herótodo e data de 500 a.C.. In Hallucinogenic Plants
EROWID.ORG

William Cole, em Sex and Love in The Bible, fala do culto a Asherah, enquanto cônjuge ou "aspecto feminino" do "deus" israelita Jehovah: "Era foi uma divindade da Natureza, simbolizando sexualidade e fertilidade. Em muitas passagens do Antigo Testamento existem referências a Asherah, representada
  • como um pilar de madeira, um objeto de devoção. Claramente, é um símbolo fálico, ocupando lugar similar ao Lingam hindu.


Cole também explica que muitos deuses e deusas antigos aparecem em pares de macho/fêmea, [uma referência aos Hermafroditas de Raças Antigas]. Tais deuses também são retratados criando o mundo/Universo através de uma cópula [ato sexual].

"Os devotos destas divindades, aparentemente acreditavam no dever religioso da magia imitativa na qual, homem e mulher copulavam no solo, misturando suas "sementes" e seus desejos com a terra que, assim, tornar-se-ia ou continuaria fértil, pela partilha do ato sexual praticado pelos humanos. As orgias envolviam o uso de psicotrópicos, substâncias alucinógenas ou relaxantes/excitantes além de atividade sexual intensa e heterodoxa como importante fator de eficiência "mágica".

Canção Erótica de Salomão

Uma passagem clássica de "erotismo bíblico", o Cântico dos Cânticos, atribuído ao rei Salomão, atualmente é amplamente aceita como um texto litúrgico-amoroso integrante dos culto ao deus/deusa da fertilidade na região do Oriente Médio. É fato histórico conhecido que o rei israelita Salomão foi iniciado em cultos estrangeiros diversos em virtude do íntimo contato com a cultura de suas numerosas esposas, provenientes de diferentes nações, como o culto a Astarte e a queima ritual do incenso de cannabis [1 Reis 11:3-5].

Não é surpresa, portanto, encontrar umas tantas referências bíblicas diretas à cannabis nos Cânticos de Salomão:

"O quanto é intenso o seu amor, minha irmã, minha noiva! Mais delicioso que o vinho é o teu amor e a fragrância de seu óleo [ungënto], mais deliciosa é que o aroma das especiarias. Seu corpo é um pomar de frutos abundantes, de romãs, de henna e nardos, nardos e açafrões, cannabis [Kaneh Bosm] e canela e todas as árvores de incenso" ... [Cântico dos Cânticos 4:8-14]. Outra passagem demonstra explicitamente a a simbologia sexual dentro da liturgia [cerimônia religiosa]:

Meu amor tocou-me a caverna

e meu ser fervia por ele
Eu me ergui e me abri para o meu amor
a minhas mãos gotejavam a mirra
A mirra escorrendo entre os dedos
sobre as mãos...
E eu abri minhas cadeias para o meu amor
Cântico dos Cânticos 5:4-6


Astarte foi adorada como filha e contraparte [aspecto] de Asherah e, tal como sua "mãe", seu culto era associado às práticas sexuais e ao uso da cannabis. Tanto o Cântico dos Cânticos quanto o Hino a Ishtar [outra divindade mesopotâmica] são narrativas de união conjugal. Cerimônias muito parecidas, que incluem o culto ao sexo e uso ritual da cannabis, são encontradas na Índia [ainda nos dias atuais].

O Festival das Carruagens, que data de época pré-Védica, ainda é realizado pelo culto Jagahath, em Puri. Nesta antiga festividade, carruagens com decoração elaborada, representando o "mundo em ação", saem em cortejo levando a figura velada do "Senhor do Universo" e sua noiva. Acredita-se que uma das figuras veladas é um lingam [pênis] gigante.

Durante o Festival de Jagganath, as "prostitutas do templo" desempenham o papel de "esposas do rei-deus" e mantêm relações sexuais com o "rei" ou sacerdotes a fim de obter abundantes chuvas de estação. O uso da cannabis faz parte dos rituais. O pesquisador do psicodelismo, Jonathan Ott, em seu livro Pharmacotheon, conta que os ingleses suprimiram, proibindo, esse ritual em toda a Índia e a atuação das devadasis, as prostitutas sagradas. A tradição desapareceu lentamente exceto em Puri.


Shiva & Kali

Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra


O uso da marijüana é parte do culto Tântrico Hindu de Shiva e Kali, duas das mais antigas divindades do mundo. O uso erótico ritual da cannabis também está inserido em no contexto da obtenção de fertilidade. A forte associação de Shiva com a cannabis está claramente demonstrada na antiga mitologia que envolve a planta bem como as minuciosos procedimentos dos devotos em relação aos campos sagrados.


Praticantes de tantra, seguidores de Shiva e Kali ainda usam marijüana como estimulante do sistema nervoso central capaz de ativar a energia chamada de kundalini, intimamente conectada com a energia sexual. É um costume milenar. Em The Woman's Encyclopedia of Myths and Secrets, a pesquisadora Barbara Walker explica:

Os principais fundamentos das práticas tântricas podem ser encontrados em tempos pré-históricos. Basicamente, é uma teosofia [pensamento religioso] que inclui o culto à Deusa-Mãe, às forças sexuais, à fertilidade, aos fenômenos naturais, tal como nos cultos animistas. Muitos dos símbolos usados no tantrismo contemporâneo, como os órgãos sexuais feminino e masculino, são semelhantes àqueles encontrados em cavernas paleolíticas, datando de 20 mil anos, em lugares tão diferentes quanto Europa Ocidental e China.

Sexo, Maconha & Energia

Os cultos à fertilidade, repletos de práticas sexuais, evoluíram ao longo das Eras e desenvolveram-se entre os estudiosos Gnósticos e os praticantes de Tantra. Tornou-se um "casamento sagrado" que acontece no plano mental dos praticantes. O ritual não se dedica mais à fecundidade da terra ou dos homens; antes, pretende proporcionar o encontro do indivíduo consigo mesmo e sua identificação com o Universo.

Ritos que usam o sexo e a cannabis buscam o despertar da kundalini e sua ascensão, ou seja, a ativação da energia sexual de modo tal que ela possa percorrer a coluna, alcançar a glândula pineal e atuar no cérebro como força criadora e re-generadora; e não mais e somente como força de geração física.

A glândula pineal é considerada a sede da alma, do espírito. É um órgão misterioso de funções praticamente desconhecidas mas para os praticantes do esoterismo, o uso da cannabis combinados com outras práticas, como relaxamento e meditação, produz uma ativação incomum da energia sexual. Nas palavras do místico Aleister Crowley, extremamente experiente quando o assunto é droga e sexo: "Quando você entende que Deus é meramente um nome para o instinto sexual não me parece tão difícil admitir que Deus está no sexo".


FONTE


Marijüana: the ultimate sex drug
CANNABIS CULTURE publicado em novembro
1999
por Chris Bennett
Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra
48
Assuntos Místicos Generalistas / Natal - Estrela de Belém
« Última mensagem por Ricardo em Março 12, 2018, 03:34:40 pm »
Sem permissão para ver imagens. Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra


A Estrela de Natal

A estrela de Natal, também conhecida como a estrela de Belém, tornou-se num ornamento típico das nossas casas, na época de Natal.

É colocada no topo da árvore de Natal ou no presépio e lembra-nos a estrela que guiou os três Reis Magos até ao local onde o menino Jesus nasceu.

A estrela característica possui quatro pontas que representam os pontos cardeais (norte, sul, este, oeste) e uma cauda luminosa, fazendo lembrar um cometa. Também se usa a estrela de cinco pontas lembrando o ser humano (Cabeça, braços e pernas).

A estrela de Natal para além de ter orientado os reis magos, representa a Luz do Mundo, Jesus Cristo.

Cientificamente, Johannes Kepler, astrónomo, matemático e astrólogo alemão do séc. XVII, explica o aparecimento da estrela de Belém com o facto de ter havido, na altura, uma conjunção entre o planeta Júpiter e o planeta Saturno, na constelação de peixes, que levou a formação de uma luz intensa, fora do normal, e que deu origem a esta “estrela”.

A referência bíblica da estrela de Natal é feita no Evangelho de Mateus, onde relata a vinda de sábios do oriente para visitar o Messias recém-nascido. Como não sabiam onde se encontrava Jesus, os três Reis Magos perguntaram na corte do Rei Herodes, mas sem sucesso. Herodes ao saber do nascimento do Rei dos Judeus, pediu-lhes que assim que encontrassem Jesus, o informassem.

Os Reis Magos, vendo surgir no céu uma luz intensa, seguiram-na, encontrando em Belém o menino Jesus. Estes ofereceram a Jesus prendas mas não voltaram à corte do Rei Herodes.

Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra
49
Assuntos Místicos Generalistas / Natal - A Ceia
« Última mensagem por Ricardo em Março 12, 2018, 03:34:11 pm »
Sem permissão para ver imagens. Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra


Ceia de Natal

mesa de NatalFazem parte dos pratos tradicionais da ceia de Natal dos nossos dias inúmeras receitas quer para a ceia propriamente dita quer para a sobremesa.
O termo consoada refere-se não só à ceia de Natal em família mas também à entrega de prendas na época natalícia, como modo de demonstrar carinho e amizade pela pessoa a quem se oferece o presente.

A tradição da consoada surgiu na Roma antiga e tem na sua origem costumes pré cristãos. No início, ramos vindos do bosque consagrado à deusa Estrénia, eram enviados aos magistrados como demonstração de respeito. Mais tarde passou a oferecer-se mel, passas, figos, medalhas de ouro, entre outras coisas, e o ato tornou-se tão generalizado, que o povo passou a levar ao imperador da época uma oferenda em dinheiro.
Também em dezembro, durante as festas de homenagem ao deus Saturno, em Roma, as pessoas trocavam entre si oferendas tais como estatuetas ou velas de cera.
Foi a partir do séc. VII, com o papa Bonifácio, que a consoada ou entrega de presentes se tornou uma tradição cristã. Na época de Natal, o próprio papa distribuía pão entre o povo e recebia deste presentes variados.
Falando nos pratos tradicionais da ceia de Natal, é a partir do séc. XVI, que o peru se torna rei dos pratos tradicionais, principalmente na Europa.

Hoje em dia, o bacalhau com batata e couve cozida é um dos pratos tradicionaisTravessa de bacalhau cozido portugueses mais confecionado para a ceia de Natal, fazendo também parte da tradição portuguesa o peru assado ou o polvo. No Brasil tornou-se também tradição, no jantar de Natal, a confeção de pernil de porco e do chester (frango selecionado) além dos pratos tradicionais de Natal de origem portuguesa, como o bacalhau, os bolinhos de bacalhau, as rabanadas e os tradicionais frutos secos.
Na Alemanha, é tradição comer-se pratos ricamente confecionados de carne de porco, ganso, javali ou veado, além das tradicionais salsichas, enquanto na Rússia, o Natal que é celebrado a 7 de Janeiro, se opta por uma refeição à base de grãos variados, fruta e mel, evitando-se comer carne.
Na Jamaica um dos elementos fundamentais na ceia de Natal é a ervilha, acompanhada por uma grande variedade de carnes.

Por outro lado, em França, a ceia de Natal é mais sofisticada. Além do tradicional peru assado, os franceses juntam outras iguarias como a lagosta, as ostras, os escargots e o fois gras.
Na África do Sul a ceia de Natal tradicional é composta por legumes, arroz com passas, tarte de carne moída, peru assado e pudim para sobremesa.
Já na Austrália, como o Natal é celebrado no verão, a ceia de natal converte-se em picnic, onde é comum comer peru, carne de porco e pudim de ameixa flambé. Em Espanha, a grande festa realiza-se no dia de Reis, e não pode faltar na mesa o tradicional presunto serrano, o roscón de Reyes (semelhante ao bolo rei), marisco e borrego ou peru assado.

ceia de Natal em famíliaA ceia de Natal ou chamada consoada apesar de estar associada a uma tradição cristã, é realizada hoje em dia em quase todo o mundo e por muitos não cristãos. Os pratos nela confecionados são variadíssimos e dependem da região onde se celebra, mas o seu objetivo principal é igual em todo o mundo: Unir a família à volta da mesa de jantar para confraternizar e celebrar um tempo de paz e amor.
 
Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra
50
Assuntos Místicos Generalistas / O simbolismo da borboleta
« Última mensagem por Ricardo em Março 12, 2018, 03:33:14 pm »
Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra



O simbolismo da borboleta


A borboleta é considerada o símbolo da transformação, da felicidade, da beleza, da inconstância, da efemeridade da natureza e da renovação, mas há inúmeros significados atribuídos à simbologia das borboletas.


Metamorfose das Borboletas

A metamorfose das borboletas é simbolizada como: a crisálida é o ovo que contém a potencialidade do ser e a borboleta que sai dele é um símbolo de ressurreição ou também pode ser vista como a saída do túmulo.

Em outras palavras, os estágios desse inseto, que são a lagarta, a crisálida e a borboleta significam respectivamente vida, morte e ressurreição representando, dessa maneira, a metamorfose cristã.


As Cores das Borboletas


Borboleta azul

Faz referência à metamorfose, portanto, da transformação que os seres humanos passam ao longo da vida, não só física (crescimento), como sociais (mudança de trabalho, casamento, nascimento de um filho, entre outros). A borboleta azul é por muitos considerada a borboleta da sorte.


Borboletas Coloridas

As borboletas coloridas são mensageiras de alegrias e felicidade.


Borboletas Pretas

São mensageiras da morte e têm, ainda, o significado da alma de uma criança que morreu ser ter recebido o Batismo ou simboliza uma bruxa reencarnada.


Borboleta Amarela

Simboliza uma nova vida, numa analogia às flores da primavera, cuja cor predominante é o amarelo.


Borboleta Branca

Por sua vez, a borboleta branca simboliza a serenidade, a calma, a paz.


A Borboleta e o Espiritismo

Uma vez que a borboleta é referência de renovação, para os espíritas, ela simboliza a reencarnação. A reencarnação é o regresso da alma para outro corpo, uma nova vida.

A borboleta é, assim, a alma que sai de uma pessoa que morre e se liberta (a saída do casulo) e vai para outra pessoa numa oportunidade de refazer a sua história de vida com mais experiência tendo em conta as vivências passadas, num processo de desenvolvimento ou progressão da alma.


Outras Simbologias da Borboleta

A borboleta é o símbolo do renascimento para a psicanálise moderna, que é representada com asas de borboleta.

Na mitologia grega, a personificação da alma é representada por uma mulher com asas de borboleta e segundo as crenças gregas populares, quando alguém morria, o espírito saía do corpo com forma de borboleta.

No Japão a borboleta é o símbolo da gueixa e representa a figura feminina (mulher), visto que está associada à ligeireza, gentileza e graciosidade. Dessa forma, a felicidade matrimonial é simbolizada por duas borboletas (masculino e feminino) e, muitas vezes, sua figura é utilizada nos casamentos.  No mito do imortal jardineiro Yuan-k’o, sua bela esposa ensina o segredo dos bichos-da-seda, sendo ela própria, um bicho-da-seda.

Por outro lado, no mundo sino-vietnamita a borboleta exprime a longevidade ou está associada ao crisântemo, o qual simboliza o outono, ou seja, a renovação, uma vez que no outono ocorre a queda das folhas.

Para os astecas e os maias, a borboleta simbolizava o deus do fogo Xiutecutli, conhecido também por Huehueteotl, o qual levava como emblema um peitoral chamado “borboleta de obsidiana” que simbolizava a alma ou o sopro vital que escapa da boca de quem está morrendo. A borboleta no meio das flores representa a alma do guerreiro morto no campo de batalha.

Os Balubas e os Luluas do Kasai, do Zaire central, também associam a borboleta com a alma. Para eles, o homem segue o ciclo da borboleta desde sua nascença até sua morte. Dessa maneira, a infância está associada a uma pequena lagarta; na maturidade, a uma grande lagarta e, à medida que vai envelhecendo, se transforma em uma crisálida. O casulo é o túmulo de onde sai a sua alma, cuja forma é uma borboleta.

Além disso, o seu túmulo seria associado ao casulo, de onde a alma sairá sob a forma de uma borboleta. Por fim, os iranianos e alguns povos turcos da Ásia central acreditam que os defuntos podem aparecer de noite na forma de borboleta.

Na mitologia irlandesa, a borboleta simboliza a alma liberta de seu invólucro carnal, da mesma maneira que na simbologia cristã. O conto Corte de Etain nara a a história do Deus Miter que se casa pela segunda vez com a deusa Etain, e por ciúmes, sua primeira esposa, a transforma em uma poça de água. Após algum tempo, a poça dá vida a uma lagarta que se transforma em uma linda borboleta.

 

FONTE: Dicionário de Símbolos
Páginas: 1 2 3 4 [5] 6 7 8 9 10