Autor Tópico: Há vida num corpo morto?  (Lida 375 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Offline Neferus

Há vida num corpo morto?
« em: Abril 04, 2017, 02:18:24 pm »
Só vou colocar esta foto se quiserem coloco mais ;)


Sem permissão para ver imagens. Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra



Sabiam que já morreu há mais de 100 anos e o cabelo e as unhas continuam a crescer?
Então há vida num corpo morto? Já ouviram falar?
Depois coloco a história para quem quiser ir visitar e ver com seus próprios olhos...eu vou lá muitas vezes  ;D



Offline Mayya

Re: Há vida num corpo morto?
« Responder #1 em: Abril 06, 2017, 02:16:55 pm »
Coloca mais fotos e a história pf

Offline Neferus

Re: Há vida num corpo morto?
« Responder #2 em: Abril 06, 2017, 03:59:44 pm »
O nome do defunto é António Moreira Lopes, falecido no ano de 1907 (supõe-se que terá nascido em 1823). O seu corpo foi exumado em 1972 ou em 1978 (segundo elementos informativos díspares), sendo que o mesmo estaria bastante bem conservado, o que fez o povo acreditar que se tratava dum novo caso de "Santo em Carne", embora António nunca tenha sido sequer beatificado (tal como no caso de Maria Adelaide que é apenas venerada popularmente). É curioso constatar que esta personalidade nunca exerceu qualquer ofício religioso, isto é, nunca foi padre, freire ou clérigo, pelo que torna singular o seu relato de vida. Mesmo assim, seria revestido no seu lugar do repouso com traje de frade ou de hábito religioso.
De acordo com o testemunho de Rosa Ribeiro, a qual revela um enorme apreço pelo "santinho", António era um homem repleto de boas qualidades. Às escondidas, cozinhava pão de noite para distribuir pelos mais pobres, num tempo em que a fome e a miséria, provocadas pela instabilidade e agitação sociais, sufocavam impiedosamente os sectores mais frágeis ou vulneráveis. De facto, Portugal viveu várias atribulações e crises no século XIX, realidade igualmente espelhada nos inícios do século seguinte, com o declínio da Monarquia e a instauração iminente da Primeira República que viria igualmente a fracassar. Terá sido neste contexto conturbado que António Moreira Lopes teria procurado auxiliar os mais carenciados, oferecendo-lhes o alimento essencial para as vivências diárias.

Tal como no já mencionado caso de Arcozelo, o seu corpo encontra-se em exposição numa capela, e ainda há um pequeno museu dedicado a esta personalidade. Tornou-se evidentemente num dos cartões-de-visita da freguesia de Beire e do concelho de Paredes, merecedor da adoração e curiosidade de diversos populares.
Quanto ao fenómeno dos corpos incorruptos é óbvio que a questão está longe de ser efectivamente esclarecida pois as teses ou opiniões divergem naturalmente entre religiosos, crentes e cientistas, e por isso, não é uma temática que ousaremos discutir aqui, independentemente das várias visões que possam existir sobre estes casos. Este dossier depende das crenças e convicções pessoais de cada cidadão, pelo que não pretendemos alimentar um debate que é inteiramente subjectivo.
O que é certo é que o número de corpos encontrados incorruptos ou inteiros em Portugal e em condições ambientais equilibradas, após várias décadas contadas a partir do precedente sepultamento, contam-se apenas pelos dedos duma mão, pois são extremamente raros. Em condições normais, um corpo pode levar, no mínimo, alguns meses, ou no máximo, 3 anos para decompor-se na totalidade.

Texto retirado Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra

Sem permissão para ver imagens. Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra


Sem permissão para ver imagens. Sem permissão para ver links. Regista te ou Entra


Offline Sky

Re: Há vida num corpo morto?
« Responder #3 em: Abril 07, 2017, 02:38:20 pm »
Eu não creio que haja vida num corpo morto. Mas realmente é intrigante o facto de continuarem a crescer as unhas e o cabelo.

Offline Mayya

Re: Há vida num corpo morto?
« Responder #4 em: Abril 07, 2017, 03:49:27 pm »
Creepy  ;D

Tags: